* Invicto no MMA, com sete vitórias contabilizadas em seu cartel, Rodrigo “Zé Colmeia”, enfim, fará sua aguardada estreia pelo Ultimate. O brasileiro, que não luta desde julho do ano passado, quando venceu Michal Martinek por finalização no primeiro round e conquistou uma vaga no plantel da organização, vai entrar em ação no card do UFC on ESPN 8, que acontece neste sábado (16), em Jacksonville, na Flórida (EUA), diante do americano Don’Tale Mayes.

Com 27 anos, o mineiro surge como mais um bom nome brasileiro na categoria peso-pesado, e a expectativa para seu debute na maior organização de MMA do mundo é grande. Treinando na renomada American Top Team, celeiro de grandes nomes do esporte, Rodrigo, mesmo em meio à pandemia causada pelo coronavírus, que afetou a rotina de todos, afirmou, em entrevista à TATAME, estar pronto para ter um bom desempenho e sair vitorioso no card.

“Eu procurei me aprofundar muito na questão física, a parte de condicionamento físico mesmo. Pode ter certeza que estou bem mais forte fisicamente, força de peso-pesado mesmo. Me especializei mais ainda no Jiu-Jitsu, treinei muito a parte de trocação e estou pronto para lutar em qualquer área, pronto para lutar e terminar o duelo no primeiro round ou, se for preciso, lutar os três rounds me sentindo bem”, destacou o invicto lutador.

Confira a entrevista completa com o brasileiro:   

– Preparação para a luta em meio à pandemia

Durante todo esse período, até treino com boneco eu fiz (risos), porque era um treino bem específico de Jiu-Jitsu e exigia muito contato, e foi importante para mim. Mas, para falar a verdade, não mudou praticamente nada na minha preparação. Eu sigo treinando normalmente, com meus parceiros de treino. Tem, no máximo, 10 pessoas na academia para treinar. Você tem seu treino marcado, treina, toma banho e vai embora, tomando todas as precauções possíveis. Mas tive meu camp completo do mesmo jeito. Todos esses parceiros de treino, é importante citar, também estão com luta marcada, então quando veio essa onda do vírus, a American Top Team deixou a galera que tem contrato com os eventos grandes treinando, porque poderiam ter luta marcada a qualquer momento, então era importante se manter ativo.

– Esperava que sua luta fosse marcada no meio de toda essa situação?

Com certeza, eu já esperava há muito tempo ter essa luta marcada. Primeiramente, eu lutaria e faria minha estreia dia 11 de abril, depois dia 26, mas não rolou por causa da pandemia. Mas meu empresário falou para eu ficar tranquilo, que uma hora a luta ia acontecer. Continuei treinando e focado, diminui um pouco o ritmo quando cancelaram, mas logo já voltei a apertar o ritmo e o duelo foi marcado. Estou pronto para o desafio.

– No que você procurou se aprofundar durante esse período sem luta? 

Eu procurei me aprofundar muito na questão física, a parte de condicionamento físico mesmo. Pode ter certeza que estou bem mais forte fisicamente, força de peso-pesado mesmo. Me especializei mais ainda no Jiu-Jitsu, treinei muito a parte de trocação e estou pronto para lutar em qualquer área, pronto para lutar e terminar o duelo no primeiro round ou, se for preciso, lutar os três rounds me sentindo bem.

– Análise do adversário

Eu vi que ele lutou o Contender Series umas três vezes, precisou de várias chances para conseguir entrar no (UFC), mas é um cara meio que ‘brigão’, meio imprevisível, tem coração, são coisas que preocupam, porque não sabemos o que esperar exatamente, mas tenho uma grande equipe por trás trabalhando e observando o jogo dele, e traçamos a estratégia certa para vencê-lo. Vai dar tudo certo, se Deus quiser.

– Invencibilidade no MMA

A gente aprende as coisas de várias formas, acredito que o lutador não precisa perder para aprender certas coisas. Tudo faz parte do crescimento, até a derrota, se uma hora acontecer, vai fazer parte, e eu vou continuar treinando, evoluindo e dar a volta por cima. Mas fico feliz de estar chegando invicto ao UFC, espero permanecer assim por muito tempo, até chegar ao Top 15, Top 10 e, quem sabe, ao título. Mas também, se a derrota vier, não é o fim do mundo. O próprio exemplo é a Amanda Nunes, lutadora que já perdeu algumas lutas e hoje é campeã de duas categorias no UFC.

– Ansiedade para a estreia no Ultimate

Às vezes bate a ansiedade, bate um medo, o que é normal. O lutador que fala que não sente isso, está mentindo, todos sentem, isso nunca vai mudar. Eu estou bem, preparado em todos os sentidos e tenho certeza que vou estrear com vitória e que será uma grande luta.

– Orientação da American Top Team em tempos de pandemia

A orientação da American Top Team aos atletas foi em relação aos atletas ficarem o máximo de tempo possível em casa, só sair em caso de emergência, além de todas as recomendações normais, de usar máscara quando sair, passar álcool em gel. Para a galera que está treinando, sempre tomar banho logo após o término do treino. Aqui na ATT eu não soube de nenhum caso de coronavírus, não vi nenhum lutador doente, então acredito que a estratégia traçada por eles esteja dando muito certo.

CARD COMPLETO: 

UFC on ESPN 8
Jacksonville, na Flórida (EUA)
Sábado, 16 de maio de 2020

Card principal
Peso-pesado: Alistair Overeem x Walt Harris
Peso-palha: Cláudia Gadelha x Angela Hill
Peso-pena: Dan Ige x Edson Barboza
Peso-médio: Eryk Anders x Krzysztof Jotko
Peso-pena: Song Yadong x Marlon Vera

Card preliminar
Peso-meio-médio: Matt Brown x Miguel Baeza
Peso-médio: Anthony Hernandez x Kevin Holland
Peso-pena: Mike Davis x Giga Chikadze
Peso-pena: Darren Elkins x Nate Landwehr
Peso-mosca: Cortney Casey x Mara Romero Borella
Peso-pesado: Rodrigo Zé Colmeia x Don’Tale Mayes

* Por Mateus Machado