Faixa-preta de Jiu-Jitsu troca faculdade de Medicina por carreira de atleta e traça meta a curto prazo: ‘Quero o ADCC 2021’

Publicado em 30/07/2020 por: Yago Redua
Faixa-preta de Jiu-Jitsu troca faculdade de Medicina por carreira de atleta e traça meta a curto prazo: ‘Quero o ADCC 2021’ Patrick Almeida tem como meta o ADCC 2021 e, em seguida, migrar para o MMA (Foto divulgação)

publicidade

Natural de Campo Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro, Patrick Almeida tem uma história interessante no Jiu-Jitsu. O faixa-preta do professor Everaldo Penco, hoje com 26 anos, quase virou médico antes de tornar-se um assíduo competidor da modalidade criada pelos Gracie.

A oportunidade surgiu em uma faculdade em Kursk, na Rússia, devido ao bom desempenho de Patrick nos estudos e em seus treinos na academia Team Nogueira, no Rio de Janeiro. Com malas prontas e a oportunidade em mãos, o jovem atleta rumou para o país frio sem saber como seria sua nova vida lado a lado dos russos. A seguir, em poucas palavras, ele resumiu como foi viver um tempo por lá.

“Foi incrível viver toda essa experiência na Rússia, as aulas de medicina que eu tive, tudo que passei para chegar aonde estou hoje. Lá, na minha faculdade, tinha aulas de Sambo e resolvi fazer um treino. Foi algo diferente e eu consegui me sobressair em cima dos russos que estavam na aula. Foi por causa do treino duro que ofereci que ganhei o respeito deles. Eu acabei virando professor lá por conta de um convite da igreja Bola de Neve, que já tinha um interesse em oferecer aulas de Jiu-Jitsu. Graças ao bom trabalho, as turmas foram crescendo e tive a oportunidade de me mudar para uma cidade maior e com mais estrutura de treino”, relembrou Patrick, antes de comentar porque decidiu trancar a faculdade de Medicina.

“Foi acontecendo tudo muito rápido até que, por conta da indicação de um amigo meu, o Mahamed Aly, eu me mudei para São Petersburgo para continuar meus estudos na faculdade federal de lá, treinar e ajudar em outra academia. Conforme eu fui lutando, vencendo a maioria das competições, como o Moscou Open da IBJJF (International Brazilian Jiu-Jitsu Federation), um dos mais disputados do país, a minha vontade de ser atleta de alto rendimento foi aumentando. Foi, então, que eu decidi deixar a Medicina de lado por um tempo para viver a minha vida de hoje. Mas ainda pretendo ser aluno outra vez e cursar faculdade nos Estados Unidos, mas eu vou precisar de uma bolsa. Cada semestre custa, em média, 60 mil dólares. Completando meus treinos e competições, eu estou fazendo a certificação de personal trainer e nutrição, além de cursar faculdade de business administration”, revelou Patrick, faixa-preta há 3 anos, que hoje mora no Havaí.

Patrick comentou sobre os treinos na Rússia e Havaí, além das competições (Foto MaggieLeft)

Nas terras do consagrado lutador BJ Penn, ídolo no Havaí, Patrick tem a missão de treinar e ajudar no crescimento da equipe e dos seus companheiros de treino. O Jiu-Jitsu, por lá, ainda segue visto como algo recreativo, por conta do estilo de vida dos havaianos: “Tecnicamente, o Jiu-Jitsu no Havaí é avançado por influência do BJ Penn, que foi o primeiro campeão mundial americano da IBJJF. Mas, por conta do estilo de vida que eles levam, alguns ainda enxergam o esporte como algo recreativo, na maioria das vezes, e não têm uma veia muito forte para a competição. Na Rússia, por exemplo, aqueles meus alunos não tinham uma técnica de solo tão refinada por conta da introdução tardia do Jiu-Jitsu, mas a maioria dos atletas de lá têm alto nível em Judô e Wrestling, o que fazem os treinos mais explosivos e agressivos. São estilos diferentes, mas os dois são ótimos. Já tivemos bons resultados com a garotada daqui no Pan-Americano Kids e os adultos estão medalhando e vencendo alguns Opens da IBJJF”, celebrou.

Sem saber quando será o fim da pandemia do novo coronavírus, Patrick traçou seus objetivos para 2021, onde pretende disputar a seletiva do ADCC, maior torneio de luta agarrada do mundo. Para tal, tem treinado com seus companheiros Horlando Monteiro, Scotty Hao, entre outros atletas locais de Jiu Jitsu e MMA.

“Tenho treinado forte com Horlando e um com atletas de MMA, sempre dando o máximo com o melhor que eu tenho agora. Estou bem animado com a minha carreira de atleta e vejo que vai dar certo. Quero lutar o ADCC já pensando em fazer a transição para o MMA em dois anos”, encerrou Patrick, que cresceu treinando com atletas renomados como Anderson Silva, irmãos Nogueira, Junior Cigano e irmãos Pitbull, por exemplo.

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Instagram
Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade