Herbert Burns esclarece desentendimento com Paulo Borrachinha, sugere Durinho x Nate Diaz e cutuca rival

Publicado em 10/07/2020 por: Diogo Santarém
Herbert Burns esclarece desentendimento com Paulo Borrachinha, sugere Durinho x Nate Diaz e cutuca rival Herbert sugeriu ao UFC um confronto de irmãos, entre os Burns e os Diaz (Foto reprodução Instagram @herbertburns)

publicidade

* Irmão de Gilbert Durinho e também lutador do UFC, o peso-leve Herbert Burns conversou com a TATAME sobre os últimos dias da família, que sofreu um duro golpe após Durinho, com Covid-19, ser retirado da luta principal do UFC 251, neste sábado (11), quando disputaria o cinturão meio-médio contra o campeão Kamaru Usman.

A notícia pegou a todos de surpresa, e o Ultimate, por sua vez, agiu rápido e anunciou Jorge Masvidal como substituto do brasileiro para o confronto contra Kamaru Usman. Herbert, então, falou a respeito dos acontecimentos recentes, destacando que Durinha está bem, em casa e se recuperando.

“Parecia um pesadelo (a notícia do teste positivo para o coronavírus), que não era realidade. Demorou um tempo para cair a ficha, ficamos bem tristes, pois foi o trabalho de uma vida inteira afetado por uma fatalidade, um vírus, mas precisamos deixar nas mãos de Deus. Agora estamos mais tranquilos. O Gilbert ficou devastado na hora, mas já aceitou melhor”, disse o peso-leve, que prosseguiu.

“O Gilbert voltou de carro (de Las Vegas para a Flórida, nos EUA) com o Greg Jones, o Vagner Rocha e o Kami Barzini, enquanto eu voltei de avião pois meu teste deu negativo. Ele já está em casa, se recuperando depois da viagem. O único sintoma que ele teve foi dor de cabeça. Reclamou que estava com a cabeça doendo, um pouco cansado, mas só. Não acho que houve nenhum deslize (da nossa parte), foi uma fatalidade”.

Sobre a nova disputa de cinturão, entre o campeão meio-médio Kamaru Usman e o agora desafiante Jorge Masvidal, Herbert opinou: “Foi uma escolha natural. O Usman tem que lutar, eles (UFC) não podem ficar segurando o campeão, até porque não sabemos quando o Durinho vai voltar, então que a luta aconteça e o Usman saia vencedor. Se o Masvidal tivesse um camp completo eu já acharia o Usman favorito, mas sem um camp e com o estilo de vida festeiro que ele tem, o Usman é mais favorito ainda”, analisou Burns.

Polêmicas com Borrachinha e Nate Diaz

A notícia do corte de Gilbert Durinho após o meio-médio brasileiro testar positivo para o coronavírus gerou grande repercussão, em especial nas redes sociais, onde diversos outros lutadores do Ultimate comentaram a situação e a escolha de Masvidal como substituto. Entre eles Paulo Borrachinha e Nate Diaz.

Depois de um breve desentendimento com Borrachinha após uma postagem do peso-médio no Twitter, Herbert contou que o compatriota já se explicou e, da sua parte, não existe nenhum problema entre eles.

“O Borrachinha falou as coisas que ele achava, na opinião dele não fez nenhum ataque contra o Durinho, mas na hora eu pensei que tinha sido contra o meu irmão e rebati o que ele falou. Mas depois ele explicou a intenção dele, já está tudo esclarecido e não tem nenhum problema entre a gente. Acho que ele não foi muito claro e deixou uma interpretação dúbia na declaração dele, mas logo em seguida explicou melhor o que quis dizer. Bola pra frente. Torcida para ele, quero que mais brasileiros sejam campeões do UFC. Não temos nenhum problema”, comentou Herbert, que ao responder as provocações de Nate Diaz, subiu o tom.

“O Nate quer aparecer, né. É um cara duro, mas que nunca vai ser campeão do UFC, então ele faz de tudo para tentar ter atenção. Ele só fala basteira, é um cara que tem muita derrota no cartel para o que ele fala. Se o Durinho não fechar para enfrentar o campeão logo em seguida (após Usman x Masvidal), seria uma luta boa ele contra o Nate. Eu mesmo também gostaria de enfrentar os Diaz. Quem sabe o UFC poderia fazer um card para ver quem são os irmãos mais durões do jogo: Burns x Nate e Nick Diaz”.

Por fim, o peso-leve, que tem duas vitórias em duas lutas no UFC, projetou seu retorno ao octógono. “Volto a treinar nessa semana e quero lutar, se possível, em setembro. No fim de setembro seria uma data boa. Por enquanto estou me resguardando e esperando a poeira baixar na academia. Mas assim que eu voltar a treinar normalmente, quero lutar, encarar alguém relevante para conseguir entrar no ranking”, encerrou.

* Por Diogo Santarém

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade