Cyborg, Lyoto, Corey Anderson e mais: relembre seis atletas que trocaram o UFC pelo Bellator em busca de valorização

Publicado em 25/08/2020 por: Yago Redua
Cyborg, Lyoto, Corey Anderson e mais: relembre seis atletas que trocaram o UFC pelo Bellator em busca de valorização Cyborg vai defender cinturão peso-pena pela primeira vez (Foto divulgação / VegasPhotoStudio / Jamie Thomson)

publicidade

Com o fim do PRIDE há pouco mais de 10 anos, o UFC passou a dominar o mercado global do MMA e se tornou a principal organização do mundo. Deste modo, sem concorrência, o objetivo dos lutadores era apenas um: lutar no Ultimate. Os melhores salários, lutadores mais badalados e a grande visibilidade viraram um atrativo para a franquia liderada pelo “Big Boss” Dana White.

LEIA A TATAME #262 ONLINE, AQUI

No começo da última década, entretanto, o Bellator emergiu com o suporte da Viacom – um dos maiores conglomerados de mídias do mundo. Com o passar do tempo, a franquia adotou um tom mais agressivo no mercado e passou a oferecer remunerações atrativas para os atletas. Um caso recente o foi de Corey Anderson, que estava no Top 5 do ranking meio-pesado do Ultimate, mas pediu para ser liberado e assinar com o Bellator, companhia que é presidida por Scott Coker.

Nomes valiosos já deixaram o UFC ao longo da história, mas com o domínio do Ultimate no mercado, as causas eram duas: aposentadoria ou fase final de carreira. A TATAME separou um Top 5 de atletas – ainda com lenha para queimar – que decidiram dar adeus ao UFC e assinar com o Bellator, assim como Corey.

1 – Cris Cyborg

Para muitos a maior lutadora de todos os tempos, mesmo após o revés para Amanda Nunes, Cris Cyborg estreou no UFC em maio de 2016. A curitibana fez sete lutas pela organização – seis vitórias e uma derrota – e foi campeã peso-pena. O período em que esteve na companhia foi marcado por polêmicas com Dana White e, ao fim da sua última luta sob contrato com o Ultimate, decidiu se tornar uma agente livre no mercado e aceitou a oferta do Bellator. Logo na estreia, a brasileira venceu Julia Budd e garantiu o cinturão até 66kg. Valorização financeira e profissional foram os aspectos que fizeram Cyborg mudar de empresa.

“Estou muito feliz. Finalizei a ‘Era UFC’, fiz minha última luta, isso quer dizer que ninguém me liberou (do contrato). Juntos tivemos a era Elite XC, era Strikeforce, era Invicta FC e a era UFC. Todas foram de sucesso”, postou a curitibana no Instagram antes de assinar com o Bellator.

2 – Ryan Bader

Ex-campeão duplo do Bellator, Ryan Bader ficou oito anos no UFC com 15 vitórias – sendo uma na final do TUF – e cinco derrotas. Bader venceu nomes como Rogério Minotouro (duas vezes), Rampage Jackson, Rashad Evans, Ovince St-Preux, entre outros. Porém, o atleta decidiu mudar de casa em 2016, após fazer a última luta do seu contrato, e foi rumo ao Bellator. Na nova franquia, “Darth” conquistou primeiro o título dos meio-pesados e, na sequência, o cinturão dos pesados após vencer Fedor Emelianenko na final do GP. No último dia 21, o americano foi nocauteado por Vadim Nemkov e perdeu o reinado até 93kg.

“Tenho uma oferta do Bellator chegando nos próximos dias. Nós sabemos os detalhes. Saí e me encontrei com Scott Coker (CEO) e outros caras do Bellator e gostei do que eles tinham a dizer, gostei de como eles são. Então vamos passar por este processo. Dito isto, o UFC tem o direito de igualar a oferta. Estou super empolgado de estar nesta posição”, disse Bader em entrevista ao MMA Fighting, em 2016, logo após se despedir do UFC ao nocautear Minotouro.

3 – Rory MacDonald

Os fãs de MMA tinham Rory MacDonald como uma grande promessa para conquistar o cinturão dos meio-médios do UFC e manter a bandeira do Canadá no topo da categoria após aposentadoria de Georges St-Pierre. O lutador venceu nove lutas e perdeu quatro durante sua trajetória no Ultimate. Ele colecionou importantes triunfos sobre Nate Diaz, Demian Maia e ex-campeões como Tyron Woodley e BJ Penn. No entanto, após perder o title shot para Robbier Lawler e, em seguida, ser derrotado por Stephen Thompson, o canadense decidiu migrar para o Bellator. Lá, o lutador conquistou o cinturão até 77kg, mas foi derrotado na final do GP da categoria pelo brasileiro Douglas Lima em outubro de 2019, em uma revanche. No fim do ano, Rory MacDonald anunciou que estava de saída para a Professional Fighters League (PFL)

“A produção do show é toda certa. Os telões, as entradas… eles fazem ser grande. Eles fazem da forma certa aqui. É um show de lutas. Eles querem promover o lutador, querem construir isso. Não é algo genérico, em que todo mundo veste a mesma coisa. A gente pode se promover. No lugar que eu estava antes (UFC), todo mundo vestia os mesmos uniformes, saíam do mesmo jeito de um vestiário entediante. É chato. As pessoas estão cansadas disso”, disparou MacDonald contra o UFC logo após assinar com o Bellator, em coletiva de imprensa.

MacDonald era uma grande promessa do UFC, mas decidiu mudar de ares (Foto Bellator MMA)

4 –  Gegard Mousasi

Gegard Mousasi tinha uma sequência de cinco vitórias seguidas quando decidiu mudar do UFC para o Bellator. Fora a sequência de triunfos, os nomes que o peso-médio venceu eram do topo da categoria, como Chris Weidman, Vitor Belfort, Thiago Marreta, Thales Leites e Uriah Hall. No total, o cartel no Ultimate foi de 9-3. Mas, quando se tornou um agente livre, o europeu levantou voo e assinou com Scott Coker. No Bellator, Mousasi conquistou o cinturão dos médios, mas depois perdeu o título em 2019 para Rafael Lovato Jr.

“A Reebok é péssima para o UFC, nem bons shorts ou calças eles produzem. Eu não sei se os novos proprietários (WME-IMG) entendem o que estão fazendo. Isso não é entretenimento, é diferente de entretenimento. Isso é MMA”, comentou Mousasi, em 2017, ao site MMA Fighting.

5 – Lyoto Machida

Ídolo de muitos torcedores brasileiros, Lyoto Machida viveu um momento de instabilidade no UFC entre 2014 e 2015. Foram quatro derrotas em cinco lutas. No entanto, em seus últimos dois compromissos pela organização, o ex-campeão dos meio-pesados venceu Eryk Anders e Vitor Belfort, este último com um plástico chute no rosto – à lá Anderson Silva – no UFC 224. O “Dragão” recebeu uma proposta para ficar no Ultimate, mas decidiu aceitar a mudança. No Bellator, venceu Rafael Carvalho e Chael Sonnen, além de perder para Gegard Mousasi. Lyoto, por enquanto, ainda não disputou título pela companhia.

“Quando o UFC me contatou, já era tarde, porque dei minha palavra ao Sr. (Scott) Coker, e sou um homem de palavra. Estou em casa, muito feliz, e mal posso esperar para lutar novamente. Meu estilo é muito único aqui, sou um verdadeiro artista marcial, e é isso que o Bellator também quer. Acredito que poderei mostrar tudo o que tenho”, declarou Lyoto sobre a troca.

 

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Instagram
Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade