Após nocaute no B4Y e críticas dos fãs pela disparidade técnica, Esquiva responde: ‘Sei que não foi um adversário de alto nível

Publicado em 02/09/2020 por: Yago Redua
Após nocaute no B4Y e críticas dos fãs pela disparidade técnica, Esquiva responde: ‘Sei que não foi um adversário de alto nível Esquiva alcançou a vitória de número 27 no Boxe profissional e segue invicto (Foto Mário Palhares)

publicidade

Esquiva Falcão subiu ao ringue no último fim de semana para disputar sua 27ª luta no Boxe profissional. O medalhista de prata nos Jogos Olímpicos de Londres em 2012 precisou de pouco mais de dois minutos para nocautear Morramad Araújo pelo Boxing For You 9, e a disparidade técnica entre os dois atletas gerou reclamação de alguns fãs nas redes sociais.

Em seu canal no YouTube, Esquiva respondeu os comentários da internet. O pugilista baiano, que está invicto na carreira, comentou que Araújo assumiu a luta de última hora no lugar de Davi Eliasquevici, que machucou o nariz e precisou deixar o card. O atleta ainda destacou a pandemia do novo coronavírus como um empecilho para buscar adversários de um nível superior, entre eles os atletas estrangeiros.

“Eu estou feliz pelo resultado (no Boxing For You). Eu sei que muitos de vocês falaram mal do meu adversário, do adversário do Robson (Conceição). Na verdade, falando a realidade. Eu sei que era um adversário de nível diferente. Eu e o Robson estamos em um nível acima dos adversários contra quem lutamos. Eu entendo. Mas vocês também têm que entender que, no meio de uma pandemia, nós não podemos trazer adversários estrangeiros. E o que encontramos aqui no Brasil foram esses adversários, que aceitaram lutar. Eu ia lutar contra o Davi, mas ele machucou o nariz. E a organização do B4Y, em menos de três dias, teve que correr atrás para buscar outro adversário. Procurou alguns, não encontrou, e o Morramad aceitou a luta. Para mim, ele foi um grande guerreiro, porque topou a luta, na pandemia, faltando três dias para o evento”, disse Esquiva, que seguiu comentando sobre a necessidade de se manter ativo:

“A nobre arte não pode parar. Se parar aqui no Brasil, morre. Vocês sabem como é no Brasil, não tem muito apoio, muita valorização. Estou muito feliz pela vitória, mas eu sei que o Morramad não foi um adversário de alto nível, não é adversário de cinturão do mundo, eu sei disso. Vocês não precisam criticar ou falar para mim, porque eu conheço meu nível e sei que eu estou em outro nível, que estou perto do cinturão mundial para enfrentar um adversário desse. Mas eu preciso lutar, preciso ficar na ativa, com distância, porque senão acaba. Então, qualquer luta ou sparring, eu tenho que participar. Obrigado a toda galera que torceu e para quem criticou também, eu recebo as críticas positivas e negativas, comigo não tem essa”, concluiu.

Esquiva tem um cartel de 27 vitórias, sendo 19 por nocaute. O brasileiro estava na rota para disputar o título, mas a pandemia atrapalhou os planos e o objetivo do capixaba agora é faturar o cinturão mundial em 2021.

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade