* Mostrando evolução no seu jogo e bastante coração, Servio Tulio foi um dos destaques do BJJBET, evento de lutas casadas que realizou sua primeira edição no último dia 6 de setembro. Em ação contra Marcos Petcho, o faixa-preta da Gracie Barra BH acabou derrotado, mas levou o prêmio de “Luta da Noite”, no valor de R$ 10 mil para cada (Servio e Petcho).

O embate animou o público que acompanhou o evento, mas para Servio, faltou a vitória. Em entrevista à TATAME, o lutador chegou a dizer que trocaria o prêmio pelo resultado positivo, e avaliou sua atuação no revés para Petcho, que veio através de um estrangulamento arco e flecha nos segundos finais da disputa.

“Para falar a verdade, preferiria ter ganho a luta e não o bônus, mas já que não veio a vitória, fica de consolo. O BJJBET está de parabéns porque pagou bem e em dia todos os atletas. Sobre a minha atuação, eu treinei de forma muito específica para essa luta, fazia round e descansava, treinos seguidos para estar no gás, ajustei muitas posições… Acho que poderia ter concretizado melhor algumas posições, teve aquela dúvida do VAR também, mas eu e o Petcho saímos de tudo, menos do estrangulamento que ele encaixou no final quando a luta já tinha virado uma loucura (risos).  Talvez, faltou um pouco de calma para defender e deixar a luta ir para o ‘golden score’ (prorrogação), eu me perdi na pontuação e desesperei. Mas méritos para o Petcho também”, comentou o mineiro, que destacou a evolução dos eventos de lutas casadas.

“Acho as regras e as lutas casadas pontos importantes para mais pessoas se interessarem (pelo Jiu-Jitsu). Eu e o Petcho ainda somos moleques lutando pelo nosso espaço, mas por querermos tanto e pelo nosso estilo de luta pra frente, acabamos ganhando o prêmio de ‘Luta da Noite’. Acho que pouca gente ia prever essa como a melhor luta, né? Então, saber casar as lutas é uma arte. O próprio UFC só virou o que é porque eles sabem direitinho casar as lutas. E eu acho muito importante o pessoal estar querendo dividir o bolo. Todos atletas têm que trabalhar juntos para fazer o bolo crescer e depois dividir, uns com mais, outros com menos, mas todos com sua participação. Tem mercado para todo mundo, é saber explorar”, completou.

O pupilo de Felipe Preguiça ainda se colocou à disposição para a próxima edição do BJJBET, topou a ideia de uma revanche com Petcho e opinou sobre a realização do Pan-Americano da IBJJF, que aconteceu no início de outubro, na Flórida, desfalcado de alguns atletas por conta das fronteiras fechadas nos Estados Unidos.

Confira o restante da entrevista com Servio Tulio:

– Avaliação do BJJBET e revanche com o Petcho na próxima edição

Fiquei amigo dos responsáveis pelo evento, são pessoas do bem, capacitadas. Com o problema da transmissão eles não tiveram o retorno que esperavam, mas tenho certeza que vão voltar ainda mais fortes para os próximos! Já estou costurando minha vaguinha (risos), e se não for na revanche contra o Marcos Petcho, que seja algum desafio de equipes ou um confere. Quero participar do show que é o BJJBET.

– Período pós-BJJBET e planos para entrar em ação novamente

Continuo treinando e estou vendo o que lutar, se tiver Grand Slam no Rio, Mundial, verei. Aproveitei esse tempo para resolver algumas coisas particulares e me adiantar na faculdade. Procuro sempre ver o lado positivo das coisas, e se praticamente perdemos o ano de competições, eu ganhei tempo em outras áreas.

– Realização do Pan de Jiu-Jitsu pela IBJJF e nível da competição

Acompanhei o Pan 2020 (saiba mais) e vi muita gente boa lutando, não tem mais pra onde correr (risos). O Ronaldo Jr, campeão da minha categoria (peso médio), lutou muito bem e mereceu. Ficou faltando uma galera como o Gabriel (Arges), Isaque (Bahiense), Jaime (Canuto), mas acho que o Ronaldo chegou para brigar pelo topo. Tem uma galera chegando, e estou animado para lutar com eles e alcançar meus objetivos.

* Por Diogo Santarém