Igor Paiva chega embalado para o Pan 2020 da IBJJF, que tem início nesta quinta-feira (8) e vai até domingo (11), em Kissimmee, na Flórida (EUA). O faixa-preta vem de uma boa campanha no Austin Open da International Brazilian Jiu-Jitsu Federation, em setembro, um dos torneios que marcaram a volta das competições da federação em meio à pandemia. Igor foi campeão peso-médio e prata no absoluto master 1, onde venceu o consagrado craque Xande Ribeiro (Six Blades).

Após quatro lutas e duas medalhas na bagagem, Igor contou como foi vencer uma lenda do esporte e como isso o deixa mais motivado para competir no Pan 2020. “Não é o primeiro grande nome que eu ganhei. Lutar com grandes nomes do esporte sempre me jogou para cima e nunca pra baixo. Sou o tipo de pessoa que, geralmente, não deixa uma boa oportunidade passar. Sei do meu potencial e que posso lutar com qualquer um do mundo, principalmente sendo do meu peso, que é a divisão dos médios”, explicou o faixa-preta, antes de detalhar como fez para derrotar Xande Ribeiro na semifinal do absoluto master 1.

“Eu tive um bom começo de luta, e isso ajudou. Consegui puxar com as pegadas que eu queria, fiquei com um controle bom e isso me possibilitou sair na frente dele com a vantagem da raspagem. Então, tentei usar essa vantagem para ele correr atrás e se expor durante a luta. Foi assim que eu consegui uma outra vantagem de raspagem no final da luta, que me garantiu a vitória. Sem dúvidas foi uma luta muito dura. Muito respeito ao Xande e a tudo que ele fez e faz pelo nosso esporte até hoje”, afirmou Igor Paiva.

Assíduo competidor de Jiu-Jitsu desde os 16 anos de idade, Igor revelou que não tem o hábito de olhar as chaves dos torneios que vai disputar, pois prefere ir lutar sem saber com quem vai medir forças.

“Eu não olho os nomes da categoria, eu vou pra ganhar e para isso tenho que me preocupar, apenas, comigo mesmo. Diversas vezes vou para o campeonato sem saber com quem vou lutar ou quantas lutas vou fazer, isso me deixa mais tranquilo e consigo fluir melhor ainda na hora da luta”, sentenciou o campeão.

Em sua preparação para as competições de alto nível, o atleta tem priorizado o treino para as partes física e mental, além de contar que chega a fazer 15 “rolas” em algumas sessões de treinamento.

“O camp do Pan está a todo vapor, estou muito confiante. Estou me sentindo muito bem fisicamente e psicologicamente. O meu treino tem sido em cima de preparação física, alongamentos e muito Jiu-Jitsu, às vezes, 15 rolas por dia, porque, no final das contas, o que realmente te prepara é o treino de Jiu-Jitsu”.