* Após estrear com uma derrota por nocaute no UFC, em fevereiro deste ano, quando acabou superada pela experiente Megan Anderson, a brasileira Norma Dumont não vê a hora de “apagar” o resultado ruim e mostrar seu verdadeiro potencial na organização. Depois de uma longa espera, a chance da peso-galo mineira finalmente chegou e será neste sábado (28), quando Norma vai ter pela frente a norte-americana Ashlee Evans-Smith no card do UFC Vegas 15, em Las Vegas (EUA).

Em entrevista à TATAME, Norma, que apesar do bom retrospecto de quatro vitórias e apenas uma derrota no MMA, ainda acumula poucas lutas como profissional, revelou que “sentiu o peso” de estrear na maior organização de MMA do mundo, mas aprendeu com a experiência e agora quer escrever um novo capítulo.

“Sinto aquela ansiedade de quando você perde e quer voltar logo, corrigir as falhas e apagar o resultado ruim. Assim que eu perdi, já queria saber quando podia voltar, mas continuei treinando, enchendo o saco do pessoal para me arrumarem uma luta enquanto isso (risos). Eu queria retornar, mostrar que cheguei. Na minha primeira luta foi uma adrenalina muito grande, muita novidade, e isso tira sua concentração. Hoje eu estou bem mais tranquila”, refletiu a brasileira, que prosseguiu com a sua análise a respeito.

“O nervosismo não foi nem só da estreia, era tudo muito novo. Eu não tinha passaporte, nunca tinha pisado fora do país… Quando cheguei para a luta estava tranquila, mas abriu a cortina e vi aquela galera, senti uma adrenalina muito grande. Por conta dessa pressão, acabei cometendo falhas técnicas. Acredito que poderia ter pelo menos levado a luta até o terceiro round”, falou Dumont, que sofreu o nocaute no primeiro assalto.

Para o seu retorno ao octógono após cerca de nove meses, a lutadora de 30 anos garante ter estudado o jogo da adversária, Ashlee Evans-Smith, e pensa em um passo de cada vez antes de projetar o futuro.

“Está tudo estudado, em dia. Desde que casaram a luta, eu e os meus treinadores estamos assistindo lutas dela, estudando, reproduzindo suas características nos treinos, então cheguei aqui com uma estratégia amadurecida. Ela é uma wrestler, tem um pouco de volume na trocação, mas sem punch, então trabalhei muito o Boxe. Porém, sem esquecer o Jiu-Jitsu, que está afiado. Se a luta for para o chão, vou trabalhar para pegar”, disse Norma, que desceu da divisão dos penas para o peso galo feminino, e analisou seus objetivos.

“No momento meu problema é a Ashlee. Quero ver como vou me sentir na luta. É algo novo em questão de trabalho feito, então quero ver o que esperar, porque treino é uma coisa e luta é outra. Depois disso, vou pensar nos próximos passos. Mas uma coisa é certa: não quero ficar mais de três meses sem lutar. Quando lutei em fevereiro, queria voltar em agosto, essa luta (contra a Ashlee) seria em outubro, na aposentadoria do Anderson Silva, mas acabou adiada. Eu treino MMA há sete anos, mas só consegui fazer cinco lutas, era difícil achar adversárias, então agora que estou no UFC, quero fazer três/quatro lutas por ano”, encerrou.

CARD COMPLETO:

UFC on ESPN 18
UFC Apex, em Las Vegas (EUA)
Sábado, 28 de novembro de 2020

Card principal (0h, horário de Brasília)
Peso-pesado: Curtis Blaydes x Derrick Lewis
Peso-meio-pesado: Anthony Smith x Devin Clark
Peso-pesado: Josh Parisian x Parker Porter
Peso-meio-médio: Miguel Baeza x Takashi Sato
Peso-pena: Spike Carlyle x Bill Algeo

Card preliminar (21h, horário de Brasília)
Peso-galo: Ashley Evans-Smith x Norma Dumont
Peso-galo: Martin Day x Anderson Berinja
Peso-mosca: Gina Mazany x Rachael Ostovich
Peso-leve: Jonathan Pearce x Kai Kamaka III
Peso-galo: Su Mudaerji x Malcolm Gordon
Peso-galo: Luke Sanders x Nate Maness

* Por Diogo Santarém