Dono de uma empresa que produz diversos produtos com base na cannabis, como cepas comestíveis e extratos, Mike Tyson também não esconde de ninguém que é usuário assíduo. O ex-campeão mundial dos pesados, que retornou ao ringue no último sábado (28) para enfrentar Roy Jones Jr., revelou em coletiva de imprensa que fumou antes do combate, quando foi indagado.

“Escute, não consigo parar de fumar. Fumei durante as brigas. Só preciso fumar, desculpe. Sou fumante, fumo todos os dias. Nunca parei de fumar. É apenas quem eu sou. Não tem nenhum efeito sobre mim de um ponto de vista negativo. É apenas o que eu faço, como sou e como vou morrer. Não há explicação. Não há começo, não há fim”, declarou “Iron Mike”.

Como foi uma luta de exibição, a VADA (agência dos EUA de controle voluntário), responsável pelos exames dos atletas, testou os dois lutadores para outros tipos de drogas, mas a maconha não estava incluída nesta categoria. Lembrando que no estado da Califórnia (EUA) – palco do evento do último sábado e onde Mike tem o seu empreendimento, o Tyson Ranch – o uso recreativo da cannabis é legalizado desde 2018.

“Apenas me entorpece, não diminui a dor”, disse Tyson aos jornalistas.

Mike afirmou que não faz uso de cocaína há pelo menos dois anos e que, aos 54 anos, se encontra em uma forma mais madura, descartando que tenha retornado por uma questão de vaidade: “Não estou aqui por causa do meu ego. Meu ego está pegando o dinheiro, comprando alguns aviões, algumas casas bonitas com um monte de garotas e tendo algumas orgias e outras coisas. Este não é quem sou agora. Aquele cara era apenas alguém que tinha que ser, eventualmente ele foi uma plataforma para se tornar eu”, concluiu.