* Fala, galera boa de luta!

Antes de qualquer coisa, gostaria de expressar como sinto orgulho de toda a comunidade do Jiu-Jitsu. Mesmo diante de tantas dificuldades impostas por essa cruel pandemia e suas consequências traumáticas, nossa comunidade se manteve forte e atuante. Academias fecharam suas portas, professores ficaram desorientados, passando por dificuldades financeiras. Porém, o espírito de solidariedade do brasileiro falou mais alto dentro dos corações dos alunos e muitos seguiram apoiando seus professores. Isso me emociona, pois mostra que, realmente, somos uma grande família!

Meu singelo texto vem buscar a reflexão de atletas, professores e praticantes de Jiu-Jitsu. Por muitos anos nossa luta foi marcada por conflitos, por acontecimentos conturbados que nada traduziam os ensinamentos aprendidos dentro das academias. Infelizmente, muitas pessoas ainda tinham – e alguns ainda têm – uma imagem deturpada da Arte Suave. Diziam que nossa luta não é uma arte que preza pela disciplina e bons costumes. Isso sempre me incomodou, afinal, o aprendizado do Jiu-Jitsu foi muito importante na formação do meu caráter e olhando por tudo que passei, me sinto feliz, grato e orgulhoso por tudo que aprendi.

Nós professores de Jiu-Jitsu (Artes Marciais), temos o dever moral de influenciar nossos alunos com bons exemplos de conduta. Saber liderar pelo exemplo se faz necessário para elevarmos ainda mais a qualidade do ensino do Jiu-Jitsu brasileiro. Dito isso, muito me entristece, ver professores continuarem a agir sem pensar nas consequências de seus atos. Dando exemplos negativos para seus alunos e, possivelmente, futuros professores. Mesmo diante de todo o crescimento do esporte, ver professores xingando árbitros em competições, cuspindo no chão, jogando lixo longe dos locais adequados, andando por um lado e para outro sem a verdadeira postura de um líder, me deixa muito incomodado. Somos exemplos, devemos estar atentos todo o tempo sobre como nos comunicamos, seja através da verbalização ou linguagem corporal. Ser educado, não é ser simpático, ou ser grato em retribuição a um agrado, ou favor. Ter educação é agir da forma certa, respeitando as pessoas, tendo limites e senso de coletividade. Esteja você em um campeonato, na sua academia ou na sua casa.

Todo o professor deve buscar aprimoramento profissional, isso é fato! Mas, antes de buscar esse aprimoramento, deve-se constantemente buscar o desenvolvimento pessoal! Ser uma pessoa melhor, viver uma vida baseada em seus valores e princípios, faz toda a diferença. A busca constante por maior entendimento e conhecimento da inteligência emocional, se faz mais que necessário. Se conhecer, entender nossas fraquezas e virtudes. Controlar nossas emoções, sabendo nos comunicar, melhorando nossas relações interpessoais são cruciais para vivermos em harmonia.

Quando entendemos isso, vemos a necessidade de mudarmos velhos hábitos e atitudes. Toda mudança se faz com muita dedicação e aprendizados contínuos. O grande pensador, o filósofo grego Aristóteles certa vez disse: “somos o que repetidamente fazemos. A excelência, portanto, não é um feito, mas um hábito”. Todos podem mudar, aquela velha e prepotente desculpa de dizer que aprendeu assim, que já velho para mudanças, ou ainda “time que está ganhando não se mexe”. Frases que muitas vezes saem de nossas bocas, sem pensar, ou ainda como defesa quando somos confrontados com nossos erros. Virar as costas para a mudança, para a evolução pessoal, é um grande erro! As crenças sabotadoras bloqueiam nossas mentes, alimentando uma mente de escassez! Todos podemos mudar e atingir o equilíbrio em nossas vidas, todos merecemos viver uma vida abundante.

Não limito minhas palavras ao dinheiro, porque conheço muita gente com grana e uma mentalidade pequena e limitada. Falo de plenitude, algo muito maior. As Artes marciais e seus princípios nos ensinam isso constantemente, só que muitas vezes ficamos cegos por um sucesso efêmero ou frustrados por sucessivos fracassos. Temos que buscar os estímulos certos, na intensidade e tempo certos. Aprendi algo que mudou minha percepção do mundo: tem poder quem age! Então, meu irmão de tatame, não deixe de agir, busque o autoconhecimento. Não deixe que seus sonhos morram afogados no mar da falta de humildade, zona de conforto e do medo.

Pense, reflita, aprenda, transforme, cresça, apareça, compartilhe e inspire seus alunos, sua família, sua comunidade. Toda a mudança exige renúncias, renuncie aos velhos hábitos e faça a diferença!

Fiquem todos com Deus!

*Por Carlão Barreto – professor, treinador de mentes, gestor, ávido para aprender e feliz por compartilhar.