A disputa de cinturão entre Deiveson Figueiredo e Brandon Moreno, no último sábado (12), em Las Vegas (EUA), pelo UFC 256, foi digna de uma luta principal e, certamente, concorre a um dos melhores combates do ano de 2020 no MMA. Os dois lutadores promoveram um duelo de alto nível, repleto de ação e muito equilíbrio, e após cinco rounds, os árbitros decidiram por decretar o empate majoritário, o que manteve o título peso-mosca em posse do brasileiro.

No entanto, se o confronto de fato ocorreu e chegou até mesmo a ser eleita a “Luta da Noite”, com os dois lutadores recebendo o prêmio de US$ 50 mil da organização, muito se deve ao esforço do paraense. Após o confronto, Deiveson revelou que precisou ser hospitalizado na madrugada de sexta (11) para sábado (12) – cerca de 20 horas antes da disputa de cinturão contra Brandon Moreno -, depois de apresentar sintomas de infecção intestinal. O “Deus da Guerra”, porém, decidiu permanecer no card, mesmo tendo a opção de deixar a luta.

“Na noite passada (sexta-feira), tive um princípio de infecção intestinal. Até duas horas da manhã eu estava no hospital e vim para a luta com a barriga cheia de vento, não sabia se iria lutar bem, e foi o que aconteceu. Foi uma luta dura até o final, mas venci mesmo com o estômago arrebentado. Vim aqui e defendi o que é meu, dei meu sangue com honra e saí com os braços erguidos”, disse Deiveson em entrevista a Joe Rogan logo após o término do combate.

Empresário do campeão peso-mosca, Wallid Ismail postou um vídeo em seu Instagram em que mostra Deiveson Figueiredo sendo novamente levado ao hospital depois da luta, dessa vez para um “check-up”. Em entrevista ao MMA Fighting, Wallid revelou que os problemas médicos se deram por conta do corte de peso do brasileiro para o combate. Vale ressaltar que, há três semanas, o brasileiro venceu Alex Perez no UFC 255 e precisou passar pelo mesmo processo para encarar a temida balança.

“Ele (Deiveson Figueiredo) teve prisão de ventre durante o corte de peso. A luta quase não aconteceu. Ele só lutou para que o pay-per-view não perdesse a sua luta principal. Ele nem compareceu à reunião depois (da pesagem de sexta-feira), porque não teve uma reidratação adequada após a pesagem”, revelou o empresário.

Presidente do Ultimate, Dana White estava ciente do problema médico envolvendo Figueiredo e, obviamente, da possibilidade de perder a luta principal do último evento numerado da organização em 2020. O dirigente citou que o paraense teve a opção de não entrar no octógono no último sábado, mas exaltou a vontade do campeão em defender seu título pela segunda vez em menos de um mês.

“Sempre que um cara vai para o hospital, você corre perigo (da luta ser cancelada). Obviamente, a gente deu (a opção da luta ser cancelada). Se quer lutar, ou não quer lutar, é o lutador quem decide. Ele foi, obviamente, liberado do ponto de vista médico, mas tinha a opção de lutar ou não lutar, e ele queria lutar”, destacou Dana.

RESULTADOS COMPLETOS:

UFC 256
UFC Apex, em Las Vegas (EUA)
Sábado, 12 de dezembro de 2020

Card principal
Deiveson Figueiredo x Brandon Moreno terminou em empate majoritário
Charles do Bronx derrotou Tony Ferguson por decisão unânime dos jurados
Mackenzie Dern derrotou Virna Jandiroba por decisão unânime dos jurados
Kevin Holland derrotou Ronaldo Jacaré por nocaute técnico no 1R
Ciryl Gané derrotou Junior Cigano por nocaute técnico no 2R

Card preliminar
Cub Swanson derrotou Daniel Pineda por nocaute no 2R
Rafael Fiziev derrotou Renato Moicano por nocaute técnico no 1R
Gavin Tucker derrotou Billy Quarantillo por decisão unânime dos jurados
Tecia Torres derrotou Sam Hughes por nocaute técnico (interrupção médica) no 1R
Chase Hooper finalizou Peter Barrett com uma chave de calcanhar no 3R