* Após mais de um ano sem lutar, o retorno do brasileiro Geraldo “Espartano” de Freitas ao octógono, no último dia 14 de novembro, não foi como o planejado. Depois de começar bem seu combate contra Tony Gravely, no UFC Vegas 14, o peso-galo mineiro sucumbiu perante o Wrestling do rival, sendo derrotado por decisão dividida dos jurados ao término dos três rounds.

O revés foi o segundo de Espartano em três lutas no UFC, e em entrevista à TATAME, o lutador admitiu sua frustração com o resultado: “Sai frustrado, sim. Eu estava muito confiante, muito treinado, fazendo tudo bem feito. Do outro lado tinha um oponente tão bem preparado quanto eu, mas sentia convicção de que sairia vencedor, e ser vencido do jeito que eu fui, sem conseguir colocar todo meu potencial em jogo, é uma sensação ruim. Sei que poderia ter me apresentado melhor e isso me deixa chateado… Porém, eu sempre usei os tropeços da minha vida para me tornar um atleta melhor, um ser humano melhor e é nisso que estou focado, em corrigir os meus erros, melhorar o que precisar e colocar tudo pra fora na próxima luta”, comentou Geraldo, que citou sua estratégia errada como um dos motivos para o resultado ruim.

“Acredito que a minha estratégia foi errada perante um bom wrestler como o Gravely. O fato de eu acreditar que tinha armas para nocautear fez com que eu quisesse fazer ele andar pra trás, mas eu quis caçar ele o tempo todo, andei pra cima e acredito que essa estratégia facilitou as entradas de quedas dele. Eu poderia ter me movimentado mais, ter tido mais calma e ir construindo o nocaute aos poucos, mas eu caí pra dentro o tempo todo e isso ajudou ele. Foi isso que aconteceu o tempo todo na luta. Se eu pudesse fazer algo diferente, era ter mais calma e paciência para construir o nocaute sem forçar a barra”, analisou o brasileiro.

Atualmente aos 29 anos e dono de um cartel com 12 vitórias e seis derrotas no MMA, Espartano ainda tem mais uma luta restante em seu atual contrato com o UFC. Por isso, o mineiro sabe da importância de conseguir um triunfo a seguir. Passando por um período de descanso físico e mental com a família em Minas Gerais, o peso-galo espera retornar ao octógono no início de 2021 para se reencontrar as vitórias.


“Estou em Minas Gerais, vim descansar na casa da minha mãe e resolver algumas questões pessoais, mas não consegui resolver tudo ainda e não pude voltar ao Rio de Janeiro para retornar aos treinos na Nova União. Mas eu estou me mantendo ativo e espero logo já estar de volta”, afirmou o mineiro, concluindo:

“Como não voltei aos treinos ainda, não conversei com o UFC para me colocarem para lutar de novo, mas ainda tenho uma luta no contrato e espero fazê-la no primeiro trimestre de 2021. Sobre algum adversário que eu queira lutar, acredito que não estou numa posição de escolher, vindo de duas derrotas, então quem e quando o UFC quiser me colocar para lutar, preciso estar pronto e é isso que vai acontecer”, finalizou.

* Por Diogo Santarém