* Após passar o ano de 2020 inteiro sem lutar por conta de uma lesão no bíceps, Warlley Alves, enfim, vai fazer seu retorno ao Ultimate. Nesta quarta-feira (20), o brasileiro entra em ação no card do UFC Fight Island 8, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, e terá pela frente o tunisiano Mounir Lazzez em confronto válido pela categoria meio-médio (até 77kg). Vindo de duas derrotas em suas últimas três lutas na organização, o carioca sabe que uma volta triunfal é importante para sua sequência dentro da companhia.

Além do período de recuperação da lesão, que o levou a fazer uma cirurgia, Warlley passou por uma importante mudança em sua carreira. O atleta de 30 anos deixou a Team Nogueira e começou a treinar na Usina de Campeões, projeto social da Refit, liderado pela lenda Pedro Rizzo. Pronto para alçar voos maiores em sua carreira no UFC, onde luta desde 2014, o casca-grossa falou que o período de mais de um ano sem entrar no octógono foi importante para apresentar, nesta quarta-feira, uma “nova versão” de si mesmo.

“Graças a Deus, estou sempre cercado de pessoas que me puxam pra frente. O Pedro (Rizzo) é o cara mais ‘old school’ que eu conheço. Ele, o Rogério Camões, o Laerte Barcelos… Muita gente boa! Tem o Raoni Barcelos, que é bom em tudo o que faz, mas não só ele, temos uma base que está chegando de garotos que vêm do projeto social e são muito fortes. Foi um período para organizar a minha cabeça, entender o motivo de fazer o que faço, a escolha de ser atleta. Mudei algumas condutas. Acho que isso vai se refletir na minha próxima luta e daqui pra frente também”, disse o atleta, que em seu cartel no MMA tem 13 vitórias e quatro derrotas.

Confira o restante da entrevista com Warlley Alves:

– Camp para a luta diante do Mounir Lazzez

Estou na Refit há um ano. Tive uma lesão no bíceps e fiquei um tempo afastado, mas graças a Deus e a equipe, estou 100% para essa luta de quarta-feira. O Dr. Rickson Moraes também me deixou muito bem. Voltei a treinar bem, estou tranquilo e confiante para este retorno ao octógono, de preferência com uma vitória.

– Como foi lidar com a pandemia

A pandemia foi uma tragédia. Muitas vidas se perderam e muitas vão ser levadas nesse mar de tudo o que acontece, que não é só o vírus, mas a corrupção também, que gera a falta de aparelhos, decisões monocráticas, que impedem as pessoas de terem acesso à saúde. Independentemente disso, preciso correr atrás do meu e levar o sustento pra casa. Treinei sempre fazendo o máximo para respeitar o protocolo sanitário e a recomendação médica. Minha vida ficou restrita somente aos treinos e a minha fé (igreja).

– Projeção para a luta desta quarta-feira

Acho que tanto eu quanto meu adversário, nós dois vamos querer sair na porrada, sem gastar muita força para levar pra baixo. Vamos dar um show na quarta-feira, podem esperar um combate de altíssimo nível, com certeza. Trabalhei firme e com muita dedicação para ter o meu braço erguido no fim do confronto.

 

CARD COMPLETO:

UFC Fight Island 8
Ilha da Luta, em Abu Dhabi (EAU)
Quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

Card principal (14h, horário de Brasília)
Peso-meio-médio: Michael Chiesa x Neil Magny
Peso-meio-médio: Warlley Alves x Mounir Lazzez
Peso-meio-pesado: Ike Villanueva x Vinícius Mamute
Peso-mosca: Roxanne Modafferi x Viviane Araújo
Peso-mosca: Matt Schnell x Tyson Nam
Peso-pena: Lerone Murphy x Douglas D’Silva

Card preliminar (11h, horário de Brasília)
Peso-médio: Omari Akhmedov x Tom Breese
Peso-galo: Ricky Simon x Gaetano Pirrello
Peso-mosca: Su Mudaerji x Zarrukh Adashev
Peso-médio: Dalcha Lungiambula x Markus Maluko
Peso-mosca: Francisco Figueiredo x Jerome Rivera
Peso-leve: Mike Davis x Mason Jones
Peso-pena: Umar Nurmagomedov x Sergey Morozov
Peso-mosca: Victoria Leonardo x Manon Fiorot

* Por Yago Rédua