Em busca da equidade entre homens e mulheres no Jiu-Jitsu, a FJJD-Rio igualou a premiação em dinheiro nas duas classes para a temporada 2020/2021 do Circuito Rio Mineirinho. No entanto, na primeira etapa do ranking, o Sul Americano, disputado no fim de 2020, a taxa de lutadoras inscritas na competição foi baixa e as atletas que estavam presentes – em algumas categorias – não tiveram adversárias em suas chaves.

Roberta Ribeiro, atleta da Double Five, esteve presente na abertura do Mineirinho e opinou sobre essa situação: “O Jiu-Jitsu feminino tem evoluído bastante. Acho que as meninas têm que se unir e lutar para que isso continue acontecendo. Muitas meninas chegam na internet e falam que querem igualdade, reclamam de injustiça, mas quando tem um campeonato que valoriza e paga premiação, ninguém aparece. Se quisermos que o Jiu-Jitsu feminino continue crescendo, temos que lutar esses eventos”, destacou ela.

Professor de Roberta, Leandro Escobar, o “Tatu”, é um declarado apoiador do Jiu-Jitsu feminino. O respeitado nome da arte suave comentou que as equipes precisam incentivar e apoiar mais as mulheres a lutar.

“Na primeira etapa, as meninas deixaram de disputar a premiação por não terem meninas de outras equipes. Vamos entrar forte novamente e esperamos que as outras equipes se empenhem em colocar as meninas e incentivem o Jiu-Jitsu feminino. Agradecemos muito a oportunidade que a FJJD-Rio está dando para as meninas e vamos valorizar ao máximo. Depois não adianta ficar na internet reclamando e pedindo direitos iguais, a hora de mostrar a força do Jiu-Jitsu feminino é agora”, disse o faixa-preta da Double Five.

Além da premiação em dinheiro a cada etapa, o Circuito Rio Mineirinho também dará nesta temporada passagens aos vencedores do ranking na faixa-preta – adulto e master – para o BJJ Summer Camp BJJ na Espanha, em 2022. O prêmio valerá para homens e mulheres. Os atletas vão ministrar um seminário.