A vitória de Max Holloway por decisão unânime sobre Calvin Kattar, no último sábado (16), na luta principal do UFC Fight Island 7, impressionou a todos, visto o domínio apresentado pelo ex-campeão peso-pena ao longo dos cinco rounds de combate. O havaiano, que se recuperou das duas derrotas sofridas em sequência para Alexander Volkanovski – atual detentor do título da divisão -, quebrou oito recordes no Ultimate, entre eles o de mais golpes significativos conectados na cabeça (foram 274, com a marca anterior sendo de 244).

A superioridade de Holloway foi tão evidente que muitos opinaram que a luta deveria ter sido interrompida pelo árbitro central Herb Dean, principalmente no quarto round, onde Max apresentou um volume impressionante de golpes. Presidente da organização, Dana White foi um dos favoráveis à intervenção, e apesar de elogiar resistência de Kattar, admitiu que ficou preocupado com a integridade física do lutador.

“Achei que a luta deveria ter sido interrompida no quarto round. Eu estava ficando um pouco pirado. Eu disse (aos treinadores de Calvin Kattar) que ele não iria parar para falar com ninguém após a luta, que ele seria levado direto para a ambulância e que o mandaríamos para o hospital. Fui até Kattar e disse: ‘Você é muito forte, que atuação incrível’. Ele respondeu: ‘Não é por isso que eu quero ser conhecido, mas eu não vou recuar para ninguém’. O garoto é duro”, afirmou o mandatário, que ainda prosseguiu sobre o assunto:

“Eu não sou o árbitro. Herb Dean esta noite foi o cara que tomou essa decisão. Achei que ele deveria ter interrompido no quarto round. Odeio ver um garoto receber esses tipos de golpes, mas ele (Calvin Kattar) parece estar bem e, contanto que ele esteja bem, esse é o trabalho do árbitro, não meu. Nossa conversa me fez sentir melhor. Tudo o que estou ouvindo é que ele está bem, mas esses tipos de luta me assustam”, disse.