Sem lutar desde maio do ano passado, o peso-pesado Francis Ngannou segue aguardando qual será o seu próximo passo no UFC. Primeiro colocado no ranking da categoria, o camaronês vem de quatro vitórias seguidas que, somadas, não chegam nem a 3 minutos de luta. Após o seu último nocaute, sobre Jairzinho Rozenstruik, em 20s, Ngannou achou que finalmente disputaria o título dos pesados contra Stipe Miocic.

Entretanto, a demora do campeão Miocic em retornar ao octógono vem causando insatisfação em Ngannou, que aproveitou para desafiar outro lutador: Jon Jones, ex-campeão meio-pesado e que no fim de 2020 anunciou sua subida para a divisão até 120kg. Em entrevista ao site MMA Fighting, Francis aprovou o combate, que até foi cogitado pelo UFC, mas na época esbarrou em questões financeiras para se tornar realidade.

“Obviamente, é uma luta que todos adorariam ver. Se eu fosse um fã, gostaria muito de ver essa luta (Ngannou x Jones). Adoraria que ela acontecesse. Mas se ela já tivesse acontecido, eu estaria em atividade agora. Vejo dois pontos positivos nesse cenário. O primeiro seria lutar com Jon Jones, que é provavelmente o maior lutador de todos os tempos e o número um peso-por-peso atualmente, na minha opinião. E a principal, eu estaria ativo”, disse o camaronês, apostando que o seu jogo casa bem com o do americano.

“Neste momento, eu não sei aonde estou. Não sei o que estou fazendo exatamente. Ter luta marcada é uma boa, mas ter uma luta grande é incrível. É isso que estou buscando agora. Acho que o meu jogo casa bem com o do Jon Jones. Ele está ganhando peso agora, parece bem grande e forte, mas mesmo assim penso que seria um bom jogo pra mim. Ele tem boas habilidades que podem bater de frente com a minha força”.

Questionado sobre uma possível “furada de fila” de Jon Jones no peso pesado, Ngannou – cotado como próximo desafiante ao cinturão de Stipe Miocic – pareceu não se importar: “Por que eu deveria me preocupar? Não, isso não me preocupa”, encerrou o peso-pesado de 34 anos, desde 2015 no Ultimate.