* Após conseguir sua primeira vitória no UFC em outubro do ano passado, quando superou Yorgan De Castro por decisão unânime dos jurados, o peso-pesado Carlos Boi retorna ao octógono no próximo sábado (16), para a sua terceira passagem pela “ilha da luta”, em Abu Dhabi (EAU). Com um triunfo e um revés na organização até agora, o brasileiro terá pela frente o duro Justin Tafa, conhecido por seu poder de nocaute.

Em entrevista à TATAME, Carlos disse que, ao lado da equipe, estudou cuidadosamente o adversário e que sabe o caminho para conseguir o nocaute contra Tafa. Segundo o baiano, este foi seu melhor camp no UFC.

“Com certeza (sei todas as brechas dele). Assisti às lutas do Justin, até as amadoras, até vídeo de sparring que achamos no YouTube. A equipe de pesquisa aqui trabalha forte (risos), e acho que esse é um diferencial. Foi um dos segredos na minha última vitória, estudar a carreira do Yorgan (De Castro), e acho que é a chave para eu também vencer o Justin: estudar e traçar a estratégia correta”, disse o peso-pesado, que completou:

“Minha expectativa para o combate é a melhor possível, estou muito confiante. O camp foi ótimo, o melhor das três lutas que fiz pelo UFC, então estou muito bem preparando e ansioso para mostrar meu trabalho. Acredito que vai vir um nocaute por aí”, apostou Boi, dono de um cartel com nove vitórias e apenas um revés.

Natural de Feira de Santana, na Bahia, Carlos Boi treina na LIFE MMA – no próprio município – e aprimora a parte de grappling em Salvador. Aos 25 anos, o peso-pesado ainda tem uma longa carreira pela frente, e aposta no bom trabalho realizado “em casa” para alcançar os seus objetivos na organização.

“Meu camp é sempre feito aqui na Bahia e não penso em mudar de equipe. Antes dessa luta, por exemplo, muitas pessoas vieram falar comigo que eu tinha que mudar de equipe, que isso, aquilo, mas não é por aí. O brasileiro tem meio que uma ‘síndrome de vira lata’ (se referindo aos atletas que deixam o país para trocar de equipe no exterior), e eu prezo muito pela pessoa que chega no topo e não muda”.

Dito isso, o lutador baiano ressaltou que seguirá treinando no Brasil, mas também revelou o desejo de, em um futuro próximo, passar um período na renomada equipe AKA, lar de nomes como Daniel Cormier, Cain Velásquez, Khabib Nurmagomedov, Luke Rockhold, entre outros campeões de MMA. Boi, inclusive, chegou a conversar com Javier Mendez, líder do time, mas na época o plano não teve sequência.

“É uma academia que eu gostaria de visitar, não mudar de equipe, mas quando eu for lutar nos EUA, estender mais 2-3 semanas treinando. Sempre tive vontade de pegar uns treinos na AKA, até porque os melhores da minha categoria (peso pesado) estão lá, Velásquez, Cormier, caras que eu me inspiro. Uma vez até conversei com o Javier para passar umas semanas lá e pretendo voltar a ver isso”, disse o brasileiro, que encerrou sobre os seus planos para 2021. “Lutar pelo menos mais três vezes e deixar meu cartel 5-1 no UFC”, projetou.

CARD COMPLETO:

UFC Fight Island 7
Ilha da Luta, em Abu Dhabi (EAU)
Sábado, 16 de janeiro de 2021

Card principal (17h, horário de Brasília)
Peso-pena: Max Holloway x Calvin Kattar
Peso-meio-médio: Carlos Condit x Matt Brown
Peso-meio-médio: Santiago Ponzinibbio x Li Jingliang
Peso-médio: Joaquin Buckley x Alessio Di Chirico
Peso-médio: Punahele Soriano x Dusko Todorovic

Card preliminar (14h, horário de Brasília)
Peso-médio: Phil Hawes x Nassourdine Imavov
Peso-galo: Wu Yanan x Joselyne Edwards
Peso-médio: Omari Akhmedov x Tom Breese
Peso-pesado: Carlos Boi x Justin Tafa
Peso-meio-médio: David Zawada x Ramazan Emeev
Peso-galo: Sarah Moras x Vanessa Melo
Peso-pena: Jacob Kilburn x Austin Lingo

* Por Diogo Santarém