Sete meses após a famosa discussão no Tokyo Hilton que deu origem à rivalidade entre Chute Boxe e Brazilian Top Team (BTT), os fãs japoneses tiveram a oportunidade de ver Murilo “Ninja” Rua enfrentando Zé Mario Sperry em uma luta que entrou para a história do MMA não só pelo espetáculo visto dentro do ringue, mas por quebras de paradigmas nos bastidores. Em 28 de abril de 2002, os brasileiros duelaram em Yokohama, no Japão, naquele que talvez tenha sido o capítulo mais tenso dessa história que marcou época.

Após a “declaração de guerra”, as duas equipes treinaram com afinco para resolver suas diferenças da melhor forma possível: dentro do ringue no PRIDE 20. E foi isso que aconteceu. Sperry e Ninja estavam muito bem preparados fisicamente e presentearam os fãs com um confronto antológico.

Ninja começou aplicando um knockdown em Mario Sperry, que se recuperou e levou perigo com ataques na Kimura. Muito bem treinado no chão, o atleta da Chute Boxe escapou de todas as tentativas de ataque no solo e foi superior na parte em pé, merecendo a vitória por decisão unânime após uma verdadeira batalha.

Depois do triunfo da Chute Boxe, os xingamentos de Pelé Landi, que estava no córner de Murilo, inflamaram ainda mais a rivalidade entre as equipes e impressionaram os fãs japoneses, que viram Rodrigo Minotauro chorar: “Não chorei porque o Zé Mario perdeu, mesmo porque a luta foi bem parelha, mas por causa da falta de respeito dos membros da Chute Boxe. Eles têm que entender que isto é um esporte”, disse Rodrigo – representante da BTT – na época, em trecho da história que foi retirado do Almanaque Combate/TATAME.