Em ação na luta principal do UFC Vegas 19, realizado no último sábado (20), em Las Vegas (EUA), Derrick Lewis não teve maiores dificuldades para vencer Curtis Blaydes por nocaute no segundo round do combate, mas a maneira como o triunfo ocorreu gerou alguns questionamentos. Ao aplicar um potente uppercut de direita, Lewis viu seu adversário cair já praticamente desacordado. Porém, foi pra cima e ainda conectou outros dois golpes com Blaydes “apagado”, até que o árbitro central Herb Dean interrompesse o confronto.

Em entrevista coletiva após a luta, “The Black Beast” – que emplacou sua quarta vitória consecutiva – afirmou que os treinadores de Blaydes chegaram a questioná-lo por soltar mais golpes que o necessário para sacramentar sua vitória, entretanto, Derrick jogou a responsabilidade no árbitro pela demora na interrupção.

“Foi por causa do córner dele (Curtis Blaydes), seus treinadores estavam falando: ‘Isso é besteira’. Eu estava dizendo que não é minha culpa, é culpa do Herb Dean. Eu vou seguir lutando até o árbitro me tirar de lá. Isso é com qualquer um. A mesma coisa poderia acontecer comigo. Vou seguir lutando até o árbitro me mandar parar”, destacou o peso-pesado americano, que seguiu falando sobre o seu estilo de luta no octógono.

“Eu simplesmente não consigo desligar o interruptor desse jeito. Sei que alguns lutadores conseguem fazer isso, mas eu não consigo. Tenho que esperar até o árbitro me tirar de cima deles, porque você nunca sabe o que pode acontecer. Tudo pode acontecer”, encerrou Lewis, atualmente com 36 anos de idade.

Quarto colocado no ranking peso-pesado do Ultimate, Derrick Lewis se aproximou ainda mais de uma nova disputa de cinturão depois do bom triunfo diante de Curtis Blaydes. O lutador já disputou o título dos 120kg em 2018, no UFC 230, mas acabou sendo finalizado por Daniel Cormier – então campeão – no segundo round.