Na última semana, o brasileiro Junior Cigano e o holandês Alistair Overeem, dois pesos pesados do UFC, viram suas passagens pela organização chegar ao fim. A demissão foi confirmada pelos próprios lutadores, que já na quarta-feira (10), receberam um “convite especial” de Ryan Bader, também ex-Ultimate e atual campeão dos pesados do Bellator. Em entrevista ao site MMA Junkie, o americano afirmou que gostaria de ver os veteranos atuando na companhia liderada por Scott Coker – considerada a segunda maior do mundo.

“Veja o que o Bellator tem feito na construção da divisão meio-pesado. Tudo depende, porque, em relação ao modelo do Bellator, eles têm mudado um pouco. Eles estão criando seus próprios lutadores, caras mais jovens. Mas sim, eu gostaria que eles viessem (Cigano e Overeem). Eu não sei se eles vão contratar estes caras mais velhos. Vamos ver”, disse Bader, hoje aos 37 anos, que completou sobre o lutador brasileiro:

“Eu não sei se o Alistair Overeem está aposentado agora, mas Cigano, definitivamente, parece que quer continuar lutando, então ele seria uma boa aquisição para o Bellator”, opinou o campeão peso-pesado.

Atualmente com 37 anos, Cigano chegou ao UFC em 2008 e, de início, impressionou, emplacando uma sequência de sete vitórias – que o levaram à disputa de cinturão nos 120kg três anos depois. Diante do então campeão Cain Velásquez, o brasileiro teve uma atuação de gala, e em pouco mais de um minuto de combate, saiu vencedor por nocaute e conquistou o título dos pesados. O catarinense ainda chegou a defender a cinta com sucesso diante de Frank Mir, em 2012, mas no ano seguinte, teve Velásquez novamente pela frente e acabou sendo derrotado na decisão unânime dos jurados. A partir dali, o lutador teve altos e baixos, até culminar na sequência de quatro reveses consecutivos que resultou na demissão.

Já Alistair Overeem, aos 40 anos, estava no Ultimate desde 2011 e chegou a lutar pelo cinturão, mas não teve sucesso. Em sua longa e vitoriosa trajetória no mundo das lutas, o holandês acumula passagens por K-1, PRIDE, GLORY, entre outras organizações. São mais de 60 duelos profissionais, com 47 triunfos e 19 reveses.