* Segundo colocado no ranking da categoria meio-pesado, Thiago Marreta espera mostrar mais do seu estilo de luta neste sábado (6), quando entra em ação no card principal do UFC 259, em Las Vegas (EUA), em duelo contra Aleksandar Rakic. Totalmente recuperado das sérias lesões que sofreu na luta contra Jon Jones, o brasileiro retornou em novembro do ano passado, diante do compatriota Glover Teixeira, mas longe do seu auge físico e técnico, viu Glover ser superior e sair com a vitória por finalização no terceiro round.

Com lições e aprendizados trazidos do revés, Marreta quer “virar a página”. Ciente da importância do confronto contra Rakic e que uma boa vitória pode levá-lo a sonhar com uma nova disputa de cinturão nos 93kg, o atleta da American Top Team conversou com a TATAME e fez boas projeções caso saia vencedor na noite de sábado.

“Primeiramente, a vitória (contra Aleksandar Rakic) vai defender minha posição como número 2 no ranking e me coloca mais próximo de uma oportunidade de disputar o cinturão novamente. Claro que o Glover Teixeira está na minha frente, mas a gente não sabe o que pode acontecer, ainda mais nesse tempo de pandemia, tudo pode acontecer. Tenho certeza que estarei bem melhor nessa luta e, se Deus quiser, vou trazer uma boa vitória”, disse o carioca, de 37 anos.

Ao longo do bate-papo, o atleta falou de seu segundo camp completo na academia American Top Team, nos Estados Unidos, a importância de sua namorada, Yana Kunitskaya, que também é atleta do UFC, e fez uma breve análise do confronto diante de Rakic, entre outros assuntos.

Veja a entrevista completa com Thiago Marreta:
 
– Adaptação a American Top Team e elogios à estrutura da equipe

A American Top Team é a melhor academia do mundo. Não tem como comparar a estrutura, o material humano e tudo o que eles oferecem. Eles me dão todo o suporte, então o camp tem sido maravilhoso, perfeito, tudo dentro do planejado e estou muito feliz. Tenho certeza que estarei bem melhor nessa luta e, se Deus quiser, vou trazer uma boa vitória.

– Importância da namorada Yana Kunitskaya, também lutadora do UFC

É muito bom, porque ela me ajuda com tudo. Está sempre buscando o melhor para mim, mesmo durante o camp dela, a Yana me apoia, me ajuda no que eu preciso e vice-versa. As coisas se tornam melhores, mais fáceis por conta disso. Ela me motiva bastante, está sempre me levantando e me levando a ser um atleta melhor. As coisas se tornam melhores quando você tem alguém assim ao seu lado.

– Análise do adversário Aleksandar Rakic

Treinei de tudo, dando uma atenção maior ao meu Wrestling e também ao Jiu-Jitsu. Ele é um cara forte, agressivo, nocauteador e tem tudo para ser uma grande luta. Eu me preparei tudo, porque eu sei que ele é um grande striker, mas olhando as lutas dele, dá para ver que é um atleta que também é bom no grappling, então me preparei bastante para tudo o que ele venha a oferecer durante a luta.

– Lições e aprendizados na derrota para Glover Teixeira

Foi difícil demais (o retorno após a grave lesão no joelho), um mix de emoções, porque eu estava há muito tempo parado, há um ano e meio sem lutar. Então, por mais que você faça tudo durante os treinos, você tenta reproduzir tudo, mas não é a mesma coisa quando você entra no octógono, a adrenalina e atmosfera são totalmente diferentes. Eu estava há muito tempo sem sentir isso. A luta contra o Glover foi importante para voltar a sentir, me ambientar, então procurei trabalhar bastante minha mente depois dessa luta contra ele, sempre tentando melhorar, observando os erros. Dei uma atenção maior ao meu Wrestling e Jiu-Jitsu, me sinto bem melhor e pronto para voltar a ter meu braço erguido.

– Adesanya chegando aos meio-pesados em disputa de título e palpite da luta contra Blachowicz

Justo não é, mas faz parte do business. Esportivamente é lógico que não é justo, era o Glover que merecia essa disputa de cinturão, mas pensando em business, principalmente nessa fase que o UFC está passando, precisa fazer dinheiro, precisa vender, e é claro que uma luta de dois campeões rende mais, então é compreensível. Sobre a luta em si, o Adesanya leva o favoritismo pela envergadura e movimentação, por ser mais leve e mais rápido, o jogo não encaixa muito bem para o Jan. Mas vale dizer que o Jan evoluiu muito e tenho certeza que, se fizer o jogo certinho, encurtar a distância, pode conseguir nocautear o Adesanya.

– Acredita que uma boa vitória no sábado te coloca em qual situação na categoria?

Primeiramente, a vitória vai defender minha posição como número 2 no ranking e me coloca mais próximo de uma oportunidade de disputar o cinturão novamente. Claro que o Glover Teixeira está na minha frente, mas a gente não sabe o que pode acontecer, ainda mais nesse tempo de pandemia, tudo pode acontecer. Tenho que fazer minha parte, vencer essa luta no sábado e, a partir disso, ver o que pode acontecer.

CARD COMPLETO:

UFC 259
UFC Apex, em Las Vegas (EUA)
Sábado, 06 de março de 2021

Card principal (00h, horário de Brasília)
Peso-meio-pesado: Jan Blachowicz x Israel Adesanya
Peso-pena: Amanda Nunes x Megan Anderson
Peso-galo: Petr Yan x Aljamain Sterling
Peso-leve: Islam Makhachev x Drew Dober
Peso-meio-pesado: Thiago Marreta x Aleksandar Rakic

Card preliminar (20h, horário de Brasília)
Peso-galo: Dominick Cruz x Casey Kenney
Peso-galo: Song Yadong x Kyler Phillips
Peso-mosca: Joseph Benavidez x Askar Askarov
Peso-mosca: Rogério Bontorin x Kai Kara-France
Peso-mosca: Tim Elliott x Jordan Espinosa
Peso-meio-pesado: Kennedy Nzechukwu x Carlos Ulberg
Peso-meio-médio: Sean Brady x Jake Matthews
Peso-palha: Livinha Souza x Amanda Lemos
Peso-leve: Uros Medic x Aalon Cruz
Peso-galo: Mario Bautista x Trevin Jones

* Por Mateus Machado