Um dos faixas-roxa de maior destaque no cenário do Jiu-Jitsu, Felipe Porto é pupilo do consagrado faixa-preta Roberto Cyborg, líder da Fight Sport. Com apenas 22 anos, mas com uma grande bagagem na modalidade, o lutador ocupa o Top 5 no ranking da IBJJF na faixa-roxa com quimono. Medalhista tanto com e sem quimono no Orlando Open, disputado no fim de março, o atleta analisou sua performance no evento.

“Foi uma experiência muito boa, pois lutei com faixas-roxa de alto nível, como o Pablo Lavaselli, de igual para igual, me senti muito bem fisicamente e tecnicamente”, destacou o atleta, que vem ganhando projeção.

Felipe Porto acabou ficando com a prata com quimono e com a medalha de ouro na disputa do torneio No-Gi. Recuperando a forma na medida em que os eventos ainda estão sendo normalizados nos Estados Unidos, o lutador ajudou a Fight Sports a ficar com o ouro no Miami Open em 2020, além de ter no currículo recente os títulos do Nova York Open, World Series of Grappling e as inúmeras vitórias pelo SubStars: “Acredito que estou, sim, entre os melhores, mas também tem muitos bons atletas surgindo, o Jiu-Jitsu está crescendo muito”.

O atleta ainda foi campeão do Charleston Open, que aconteceu no último fim de semana, nos Estados Unidos. Dentre as próximas competições que Felipe mira estão Nova Orleans Open, Pan No-Gi e Miami Open. Com o ritmo de vacinação nos Estados Unidos se intensificando cada vez mais, as competições estão voltando a todo o vapor, proporcionando aos atletas uma segurança possível para a realização dos torneios.

“Graças a Deus a situação aqui nos Estados Unidos está se normalizando, está cada vez mais crescendo o número de campeonatos de novo, o que é ótimo para nós que vivemos do esporte”, finalizou o casca-grossa.