* Recuperada de uma séria lesão no joelho, Luana “Dread” Carolina está pronta para retornar ao octógono do Ultimate. Sem lutar desde julho do ano passado, quando foi derrotada por Ariane Lipski, a brasileira vai em busca da reabilitação diante da compatriota Poliana Botelho, em combate que está marcado para acontecer no card do UFC no dia 1º de maio, provavelmente na sede da companhia em Las Vegas (EUA).

Com 27 anos, a paulista vai para a sua terceira apresentação na organização, onde tem uma vitória e um revés. A peso-mosca conversou com a TATAME e falou da sua expectativa para voltar a lutar e, consequentemente, sobre o embate diante de Poliana, que vem de resultado negativo para Gillian Robertson.

“Eu sempre entro para sair na mão, seja com quem for, então espero que seja uma boa luta para o público (risos). Minha preparação está boa, estou conseguindo treinar bem e vamos fazer o que a gente mais gosta, que é lutar. Estou pronta para qualquer coisa que for acontecer na luta e confiante de que posso sair vitoriosa. Tem tudo para ser um duelo de altíssimo nível”, projetou a casca-grossa, que até o momento, só enfrentou adversárias brasileiras no Ultimate, mas destacou que não vê isso como algo incômodo.

“Minha luta agora é essa, meu foco está todo na Poliana. O UFC tem ótimas brasileiras, é normal que a gente acabe se cruzando uma vez ou outra, não tem muito para onde correr, e também não vejo problema. Depois da Poliana, a gente pensa na próxima luta. No momento, só quero voltar a fazer o que eu mais amo, lutar”.

 

A derrota sofrida para Ariane Lipski no ano passado resultou também em uma séria lesão para Luana, que ao ser finalizada pela curitibana, machucou o joelho e chegou a receber uma suspensão médica de 180 dias por parte do UFC. Completamente recuperada da contusão, Dread citou o trabalho feito com a sua equipe.

“Toda lesão para um atleta pode ser séria, mas temos que entender, por mais difícil, que vida de atleta é isso. Fizemos tudo certinho desde o fim da luta, a recuperação foi ótima. Minha equipe é muito boa em todos os aspectos e estou pronta para lutar. E posso garantir que essa última lesão não foi a pior que eu sofri ao longo da minha carreira”, ressaltou a brasileira, que por fim, afirmou que pretende entrar mais vezes em ação.

“Meu plano é lutar agora e lutar o mais rápido possível de novo. Quero lutar com mais regularidade, fazer mais lutas dentro da organização. Quero entrar no ranking da minha categoria e sei que eu vou conseguir”.

* Por Mateus Machado