* Essa pandemia afetou a todos, atletas ou não. O cuidado com a saúde nunca esteve tão em evidência, associado com a ideia de cuidar da saúde do corpo com a busca de um corpo ideal, e com uma melhor performance, seja nos treinos internos na sua academia ou em competições, principalmente. Muitos lutadores, por vezes, buscam resultados rápidos, de perda de gordura e ganho de massa muscular, focados em competições, mesmo que a conquista da sua meta a ser batida, ou a vitória, seja a justificativa para que seja pago um preço alto, o da própria saúde. 

Esse ganho, ou melhora de performance, por vezes, trazem prejuízo à saúde, alguns irrecuperáveis. O que eu não entendo é que muitos lutadores fazem tudo para vencer, pondo em risco a sua própria saúde. São riscos desnecessários de se correr. Creio que o Jiu-Jitsu seja para a nossa qualidade de vida física e mental. Sabemos de casos de doping de âmbito estadual, nacional e internacional. Os esteróides anabólicos que desenvolvem os músculos garantem a força e a potência são muito utilizados por lutadores, mesmo sabendo que podem pagar com sérios problemas de saúde num futuro próximo ou até mesmo com a vida pelo uso dessas substâncias. 

Mas uma coisa é certa: o corpo vai responder com o tempo. Estudando sobre esse tema, aprendi que na China, há uns 4000 anos, os chineses usavam o chá “machuang”, que possui um percentual alto de efedrina para potencializar a força física e, assim, aumentar a produção do trabalho rural. Na dinastia Chen, em 2700 a.C., esse chá era usado pelos lutadores chineses para dar força e mais vigor físico. Alguns registros, por volta de 800 a.C., descrevem o uso de certas ervas, fungos e óleos para melhorar a performance dos camponeses ou lutadores. Os gladiadores também utilizavam algumas receitas para melhorar seus desempenhos nos combates. 

Será que o atleta que utiliza o doping se sente vencedor no seu íntimo? Seria campeão se não tomasse substâncias ilícitas? Levantar uma medalha sabendo que infringiu as leis esportivas é gratificante para o atleta? São perguntas que encontraremos pessoas defendendo os dois lados. Também não entendo ou não consigo ver como um atleta consegue comemorar uma vitória sabendo que está usando recursos proibidos. 

Os professores, em suas academias, deveriam alertar seus alunos contra essa prática antidesportiva. Esclarecer os malefícios para a saúde, o aumento de agressividade, problemas cardíacos, entre outros. Mas hoje existem outros riscos que muitos lutadores correm, alguns conhecendo os riscos e outros não, como o uso indiscriminado de diuréticos, pré e pós treinos, inibidores de apetites e os termogênicos, sem serem recomendados por profissionais competentes. 

A maioria usa por conta própria ou ouvindo dicas de quem usa. Muitos lutadores querendo baixar de peso e mudar de categoria fazem muitas coisas erradas. Já vi lutadores perderem peso num tempo muito curto, e depois de pouco tempo engordam muito, e por vezes ganhando até mais peso, o chamado “efeito sanfona”. Procurar um nutricionista é o melhor caminho. 

Conversando com uma nutricionista, ela me disse que muitas dietas feitas sem orientação de um profissional podem trazer consequências na saúde do lutador. Essas dietas para o emagrecimento rápido num curto espaço de tempo não possuem embasamento científico. Entre os riscos, podemos citar desde dores de cabeça, anemia, tontura, aumento do colesterol, cálculo biliar, hipotensão e arritmia cardíaca, entre outras, como a sobrecarga das funções renal e hepática. 

Sentindo por vezes algum ou mais de um sintoma desses relacionados, é impossível se concentrar na hora da luta. Creio que não vale tudo para vencer. Quer mudar de categoria, ganhar ou perder peso? Busque uma orientação profissional. Planeje sua mudança de categoria no tempo que seu corpo permitir. Infelizmente, já houve mortes de lutadores por uma rápida perda de peso. Creio que antes de medalhas e títulos, a saúde deve vir na frente.

Para mais informações, veja https://www.instagram.com/luizdiasbjj/ ou entre em contato pelo e-mail geracao.artesuave@yahoo.com.br. Também conheça o http://www.geracaoartesuave.com.br/. Oss!

* Por Luiz Dias