A ansiedade é definida como o medo exagerado sobre os eventos futuros. Já a depressão é uma intensa tristeza acompanhada do desinteresse em realizar atividades que antes eram prazerosas e, em casos severos, pode diminuir a vontade de viver. A depressão é o transtorno mental que mais acomete no mundo, sendo mais de 300 milhões de pessoas, sendo crianças, adultos e idosos de ambos os sexos (GÁL et al., 2019)

Geralmente, as mulheres tendem a ter níveis mais elevados dessa psicopatologia e espera-se que o número de diagnósticos e a venda de remédios aumentem com o passar dos anos. Tais dados são preocupantes, porque essa psicopatologia causa insônia, diminui o bem-estar e a qualidade de vida (ZILCHA-MANO et al., 2014). O seu tratamento é orientado pelo psiquiatra com auxílio medicamentoso e do psicólogo, porém, profissionais de educação física apresentam grande suporte e relevância por se tratar de profissionais promotores de saúde e bem estar.

Os medicamentos têm o efeito de estimular a produção (concentração) de serotonina no sistema nervoso central (cérebro) (FITZGERALD, BRONSTEIN, 2013). Esse neurotransmissor é responsável em equilibrar o humor, melhorar a qualidade do sono, regular o apetite, entre outras funções. Sabemos que o exercício físico tem o efeito de aumentar a produção de serotonina no cérebro (ZIMMER et al., 2016), (chamamos de efeitos não farmacológicos), ou seja, o exercício físico pode potencializar o efeito do medicamento e até mesmo prevenir a doença.

As lutas, artes marciais e modalidades esportivas de combate são uma das manifestações do exercício físico (WAŞIK; WÓJCIK, 2017). De forma adequada e adaptada, pode ser praticada por crianças, adultos e idosos de ambos os sexos (DUARTE et al., 2021). Os esportes de combate são separados por três categorias 1) Strike: modalidades com golpes traumáticos (socos, chutes, cotoveladas e joelhadas), incluindo o Kickboxing, Boxe, Taekwondo, Muay Thai e Caratê; 2) Grappling: modalidades de submissões (quedas e torções), incluindo o Judô, Sumô, Sambo e o Jiu-Jitsu e 3) Mistas: contém as duas características, incluindo as Artes Marciais Mistas (MMA) (DRURY, LEHMAN, RAYAN 2017).

Estudos realizados ao redor do mundo demonstram efeitos positivos da prática das lutas e das modalidades esportivas de combate (Taekwondo, Jiu-Jitsu e Kickboxing) no estado do humor (DUARTE et al., 2020; YANG, KO, ROH, 2018). Até mesmo uma única sessão dinâmica de treinamento já apresenta efeitos positivos (TOSKOVIC, 2001). Esses benefícios são observados em crianças e adultos, independentemente da idade que inicie a prática. É evidente que a prática regular das lutas também melhora a aptidão física, autoestima, diminui os pensamentos negativos e o medo (KOTARSKAet al., 2019). Outro estudo, mostrou que uma semana de privação da prática do Karatê entre praticantes avançados (faixas marrons e pretas) de ambos os sexos foi o suficiente para gerar graves perturbações do humor (SZABO, PARKIN, 2001).

Por sua vez, as lutas produzem o Fator Neurotrófico Derivado do Cérebro (BDNF) (OZTASYONA, 2017), uma proteína produzida no cérebro que melhora a manutenção da sobrevivência das células nervosas, melhora a qualidade sináptica e aumenta a produção de serotonina (HAN et al., 2020). A baixa produção do BDNF está associada a comportamentos depressivos (HAN et al., 2020). No estudo pré-clínico de Kosari-Nasabet et. Al. (2018) demonstrou que a o traumatismo craniano leve reduz a produção do BDNF no cérebro (hipocampo). Nesse sentido, modalidades onde golpes traumáticos são inerentes (Kickboxing, Taekwondo, Boxe e Muay Thai) é importante tomar cuidado com a concussão cerebral, para não prejudicar a produção do BNDF vinda do treinamento. 

Neste momento difícil de pandemia, é importante buscar algum tipo de exercício físico para a manutenção da saúde física e mental. O simples fato de sair da condição sedentária já é uma grande conquista. Portanto, ao praticar modalidades de lutas, sejam elas recreativas ou a nível competitivo, pode trazer efeitos adicionais à saúde. Sendo assim, somente os profissionais de educação física podem prescrever exercícios físicos. No contexto das lutas, os faixas pretas da modalidade e os que têm licença das federações podem, de maneira legal, ensinar a modalidade. Portanto, baseado em evidências, é importante que outros profissionais responsáveis na área da saúde também comecem a indicar a prática de artes marciais e modalidades esportivas de combate como forma alternativa no tratamento e na prevenção da ansiedade e depressão.

REFERÊNCIAS

BEVILACQUA, G. G;SILVA, R. B; CLAUDINO, V. M; SEVERINO, B. S, RODRIGUES, M. E. S; ANDRADE, A. Self-rated sleep quality and mood states of Brazilian fighters. Revista de Artes Marciales Asiáticas, v. 14, n. 2s, p. 47–49, 2019. 

CALDERÓN, G. O. Cerebro y artes marciales: beneficios, riesgos e intervención neuropsicológica. Ciencia & Futuro, v. 5, n. 4, p. 142–156, 2015. 

DRURY, B, T; LEHMAN, T, P.; RAYAN, G. Hand and wrist injuries in boxing and the martial arts.Hand clinics, v. 33, n. 1, p. 97-106, 2017.

DUARTE, J, D, R, S; RODRIGUES, H, H, N, P; CUNHA, M, G; DE MACEDO, A, F; SALINAS, J, A, R; CLAUDINO, T, X; PASA, C; FETT, W, C . R; FETT, C, A. Dietary intake in kickboxing fighters. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 4, p. 42409-42424, 2021.

DUARTE, J. D. R. S; PASA, C.; FERRAZ, A. F; FETT, C. A.COMPARAÇÃO DAS DIFERENTES PERCEPÇÕES DE ESTADOS DE HUMOR EM PRATICANTES DE LUTAS E NÃO PRATICANTES E SEU NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA In: Congresso Internacional de Ciências da Saúde, 2, 2020, Ceará. Journal of Human Growth and Development. Ceará, 2020. p. 10.

FITZGERALD, K, T; BRONSTEIN, A, C. Selective serotonin reuptake inhibitor exposure. Topics in companion animal medicine, v. 28, n. 1, p. 13-17, 2013.

GÁL, Z; HUSE, R. J; GONDA, X; KUMAR, S; JUHASZ, G; BAGDY, G; PETSCHNER, P. Szorongás és depresszió – a vér-agy gát integritásának szerepe. Neuropsycho pharmacologia Hungarica, v. 21, n. 1, p. 19–25, 2019.

HAN, Z; WANG, Y; QI, L; WANG, J; WONG, J; CHEN, J; LUO,X; WANG, Q, M. Differential Association of Serum BDNF With Poststroke Depression and Poststroke Anxiety. Archives of physical medicine and rehabilitation, v. 101, n. 8, p. 1355-1366, 2020.

KOSARI-NASAB, M; SHOKOUHI, G; GHORBANIHAGHJO, A; ABBASI, M, M; SALARI, A. Hesperidin attenuates depression-related symptoms in mice with mild traumatic brain injury. Life sciences, v. 213, p. 198-205, 2018.

KOTARSKA, K; NOWAK; L; SZARK-ECKARDT, M; NOWAK, M. Selected healthy behaviors and quality of life in people who practice combat sports and martial arts. International Journal of Environmental Research and Public Health, v. 16, n. 5, p. 1–12, 2019. 

SZABO, Attila; PARKIN, Anna M. The psychological impact of training deprivation in martial artists. Psychology of Sport and exercise, v. 2, n. 3, p. 187-199, 2001.

TOSKOVIC, N. N. ALTERATIONS IN SELECTED MEASURES OF MOOD WITH A SINGLE BOUT OF DYNAMIC TAEKWONDO EXERCISE IN COLLEGE-AGE STUDENTS. Perceptual and Motor Skills, v. 92, p. 1031–1038, 2001.

WAŞIK, J.; WÓJCIK, A. Health in the context of martial arts practice. Physical Activity Review, v. 5, p. 91–94, 2017.

YANG, J. S.; KO, J. M.; ROH, H. T. Effects of regular Taekwondo exercise on mood changes in children from multicultural families in South Korea: a pilot study. Journal of Physical Therapy Science, v. 30, n. 4, p. 496–499, 2018. 

ZILCHA-MANO, S; DINGER, U;  MCCARTHY, K. S; BARRETT, M. S; Jacques P BARBER, J. P. Changes in well-being and quality of life in a randomized trial comparing dynamic psychotherapy and pharmacotherapy for major depressive disorder. Journal of Affective Disorders, v. 152–154, n. 1, p. 538–542, 2014.

ZIMMER, P; STRITT, C; BLOCH, W; SCHMIDT, F; HUBNER, S, T; BINNESBOBEL, S; SCHENK, A; OBERSTE, M. The effects of different aerobic exercise intensities on serum serotonin concentrations and their association with Strooptask performance: a randomized controlled trial. European journal of applied physiology, v. 116, n. 10, p. 2025-2034, 2016.

Para participar do projeto, basta entrar em contato através do e-mail abaixo e, seguindo as diretrizes especificadas, enviar o seu artigo. Não perca essa oportunidade!

CONTATO > especialista@tatame.com.br
DIRETRIZES DO PROJETO > clique aqui

Stéfane Dias: PhD em Treinamento Desportivo – Rússia e Professor da Keiser University – USA / E-mail: mestraoatt@hotmail.com/ Instagram: https://www.instagram.com/dr.stefanedias/

Everton Bittar Oliveira: Especialista em Treinamento Desportivo e Preparador Físico da American
Top Team / E-mail: vvxtreme@gmail.com/ Instagram: https://www.instagram.com/evertonvvoliveira/

Carlos Alves: Mestre em Treinamento Desportivo e Preparador de Atletas / E-mail: contato.edufisica@hotmail.com/ Instagram: https://www.instagram.com/coach_carlosalves/

Fábio Vieira: PhD em Ciências do Movimento Humano e Professor da Universidade Brasil / E-mail: fabio.vieira@hotmail.com/ Instagram: https://www.instagram.com/fabiosfvieira/

Diego Lacerda: Mestre em Treinamento Desportivo – Rússia / E-mail: diegocslacerda@gmail.com/ Instagram: https://www.instagram.com/diegolacerdatkd/

Pavel Pashkin: Mestre em Treinamento Desportivo e Treinador Profissional de Sambo – Rússia / E-mail: fitsambo@yandex.ru/ Instagram: https://www.instagram.com/pashkinpavel