Carlos Boi destaca bom momento e promete ‘pancadaria’ pra cima de americano no UFC 263

Publicidade

* De contrato renovado e vivendo um bom momento no Ultimate, com duas vitórias seguidas, Carlos Boi se prepara para retornar ao octógono neste sábado (11), quando terá pela frente o americano Jake Collier na luta que abre o UFC 263, em Glendale, no Arizona (EUA). Dono de um cartel com dez triunfos e apenas um revés no MMA, o peso-pesado brasileiro conversou com a Revista TATAME nesta semana sobre o que mudou desde a sua estreia na organização, em julho de 2020, com derrota para Sergey Spivak, até agora.

“Eu costumo falar que cada luta é um novo Carlos Boi que entra no octógono, melhor. Me sinto mais confiante, mais ágil, forte e consciente do que preciso fazer no cage. Então, quem assistir ao duelo com o Jake pode esperar mais de mim (em relação à última luta)”, disse Boi, que também analisou o rival.

“Ele tem uma trocação boa, é um lutador completo, possui algumas finalizações na carreira, mas acredito que não irá aguentar o meu ritmo de luta. Eu costumo estudar mais no primeiro round e, depois, ir soltando meu jogo, ‘esquentando’ com o combate, e isso é ruim para ele. Conforme os rounds passam ele cansa mais, ‘abre o bico’, então vai casar perfeitamente com o meu jogo”, revelou o baiano sobre parte de sua estratégia.

Além de mais um triunfo, Boi também busca o seu primeiro nocaute no UFC. Entretanto, enga-se quem pensa que o peso-pesado tem pressa: “Claro que eu quero nocautear, mas não é algo que deixo pesar na minha estratégia. Quando sair (o nocaute), vai ser naturalmente. Não adianta eu apressar e me expor. Acho que o meu próximo adversário (Jake Collier) tem um jogo propício para isso (conseguir o primeiro nocaute no Ultimate), mas se não for a hora, podem esperar pancadaria pra cima dele”, garantiu o jovem peso-pesado.

O brasileiro ainda comentou sobre a situação da categoria até 120kg. Atual campeão peso-pesado, Francis Ngannou ainda não teve a sua primeira defesa de cinturão confirmada. O desejo dos fãs – e de Boi – é por um duelo com Jon Jones, ex-campeão meio-pesado e que não luta há cerca de um ano, quando entrou em rota de colisão com o UFC pedindo uma maior valorização financeira. Porém, Derrick Lewis – último a derrotar Ngannou – corre por fora e, na opinião de Carlos, uma trilogia contra Stipe Miocic também seria interessante.

“Com certeza, a luta mais interessante seria contra o Jon Jones, ate porque a luta ultima luta do Ngannou com o Lewis foi um show de horrores, e todo mundo tem receio de ver a parte 2 daquilo. O Jones seria melhor, mas acho que o Miocic também merece a revanche pelo seu histórico na organização”, concluiu Carlos Boi.

CARD COMPLETO:

UFC 263
Glandale, no Arizona (EUA)
Sábado, 12 de junho de 2021

Card principal (23h, de Brasília)
Peso-médio: Israel Adesanya x Marvin Vettori
Peso-mosca: Deiveson Figueiredo x Brandon Moreno
Peso-meio-médio: Leon Edwards x Nate Diaz
Peso-meio-médio: Demian Maia x Belal Muhammad
Peso-meio-pesado: Paul Craig x Jamahal Hill

Card preliminar (19h15, de Brasília)
Peso-leve: Drew Dober x Brad Riddell
Peso-meio-pesado: Eryk Anders x Darren Stewart
Peso-mosca: Lauren Murphy x Joanne Calderwood
Peso-pena: Movsar Evloev x Hakeem Dawodu
Peso-galo: Pannie Kianzad x Alexis Davis
Peso-leve: Matt Frevola x Terrance McKinney
Peso-pena: Chase Hooper x Steven Peterson
Peso-leve: Fares Ziam x Luigi Vendramini
Peso-pesado: Carlos Boi x Jake Collier

* Por Diogo Santarém

Publicidadespot_img
Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

Publicidade