* Vivendo uma grande fase dentro do Ultimate, o peso-leve brasileiro Thiago Moisés chegou ao seu terceiro triunfo seguido na organização no dia 27 de fevereiro, quando derrotou Alexander Hernandez por decisão unânime dos jurados no UFC Vegas 20. Enquanto aguarda o seu próximo desafio no octógono – marcado para o dia 17 de julho, diante do russo Islam Makhachev – e vislumbra voos maiores na categoria até 70kg, o faixa-preta de Jiu-Jitsu conversou com a TATAME sobre o momento atual da arte suave no Brasil.

Thiago afirmou que segue acompanhando os principais eventos da modalidade, em especial os de lutas casada, que vieram para ficar e foram os primeiros a retornar em meio à pandemia do novo coronavírus. Questionado se gostaria de voltar a vestir o quimono para competir, o brasileiro respondeu positivamente.

“Eu acompanho bastante (os eventos), estou sempre ligado, assistindo, ano passado fiz uma luta para o Vagner Rocha. Acabei perdendo na decisão, mas foi um excelente resultado por ele ser um craque em No-Gi. É só aparecer uma oportunidade, um convite legal de BJJ Stars ou BJJBET, por exemplo, que vou ficar muito feliz em fazer uma luta casada”, disse o faixa-preta, que ainda completou sobre um possível adversário.

“Eu não tenho ninguém em especial, mas gostaria muito de lutar sem quimono contra o Isaque Bahiense. Acredito que ia ser bom para nós dois. A gente lutou de quimono, na final do Mundial de 2011, de faixa-azul, e eu venci”, relembrou Thiago, que aos 25 anos, é dono de um cartel com 15 vitórias e quatro derrotas no MMA.

* Por Diogo Santarém