Matheus Gabriel fala sobre título no Brasileiro e diz: ‘O Jiu-Jitsu de quimono também é porrada’

Publicidade

Matheus Gabriel conquistou seu segundo título no Brasil no início de outubro, em Deodoro, no Rio de Janeiro. Pelo Campeonato Brasileiro da Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu, o faixa-preta finalizou quatro lutas para conquistar o topo do pódio na categoria peso leve.
 
Matheus foi capaz de finalizar três adversários no armlock e um no triângulo, uma sequência de finalizações impressionantes, ainda mais no alto nível do esporte de quimono, onde são poucas vezes que o público vê o combate acabar antes dos 10 minutos de luta.

“Eu estava muito feliz de lutar aqui no Brasil. Estava até um pouco nervoso, pois foi o meu primeiro Brasileiro de faixa-preta, e depois de anos eu lutar um campeonato mesmo, porque até então eu tinha feito uma superluta. É sempre empolgante para mim lutar no Brasil”, disse o campeão.

O campeão falou também sobre sua missão ao vencer o Campeonato Brasileiro e seu objetivo de mostrar como o Jiu-Jitsu de quimono ainda é atraente para o público.

“Hoje as pessoas gostam muito do grappling por causa da porrada, pois acontece muita finalização. O Jiu-Jitsu de quimono também é porrada, mas sempre existem aqueles que querem luta amarrada, não soltam o jogo por conta do medo de perder. Eu não tenho medo, eu saio na mão mesmo. Sempre mostro meu trabalho, meu Jiu-Jitsu pra frente… Para mim, é isso que importa. Eu e muitos caras tentamos mostrar esse Jiu-Jitsu pra frente, pronto pra finalizar, e acho que isso é legal para o nosso esporte de quimono. Mostrei um Jiu-Jitsu de quimono com ação”, ressalta Matheus.

Faixa-preta desde 2018, Matheus detalha como o seu jogo é tão finalizador e revela que seus treinos nas faixas coloridas foram moldados para ser destaque na elite.

“Desde molequinho, meu Jiu-Jitsu foi assim, e quando subi para a faixa-preta não mudou muito. Na faixa-preta é difícil ocorrer finalização, mas sempre o que eu busco é finalizar. Afinal, é o que as pessoas querem ver e isso torna a luta mais bonita, sem amarrações. É o que sempre fiz desde minhas faixas coloridas e é o que vou continuar buscando”, contou Matheus.

O aluno de Kaiser Girão revela que quase lutou o absoluto, mas uma lesão durante os treinamentos freou a decisão de testar seu jogo contra os mais pesados.

“Meu plano era lutar o Brasileiro também no absoluto. Eu treino com muitos caras duros, queria ver como seria e me divertir, mas infelizmente eu me machuquei e preferi me guardar para lutar somente a categoria”, concluiu Matheus.

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

Publicidade