A relação entre Jiu-Jitsu e açaí explicada pelo empresário e produtor de conteúdo digital Carlos Henrique Siqueira

Publicidade

Tão comum quanto o quimono debaixo do braço, a tigela de açaí é figurinha certa no pós-treino de milhares de praticantes de Jiu-Jitsu pelo Brasil. Não só porque a fruta amazônica é rica em nutrientes, dá energia e refresca, mas também porque está inserida no cultuado Jiu-Jitsu “lifestyle” (estilo de vida, em português). E não é por acaso. A união entre a arte suave e o alimento tiveram a mesma origem: a família Gracie.

Natural do Pará, a família que desenvolveu o Jiu-Jitsu brasileiro também foi responsável por levar o açaí para o Sudeste do Brasil, o tornando um símbolo da alimentação dos “jiu-jiteiros”. Dono da rede de lojas Jah do Açaí, o empresário mineiro e praticante de Jiu-Jitsu Carlos Henrique Siqueira falou um pouco dessa relação.

“Além de ser um produto saudável e refrescante, o açaí sempre foi um alimento muito consumido por atletas devido ao benefício energético da fruta com o guaraná. Para o praticante de Jiu-Jitsu, é quase um rito sair da academia e ir direto tomar um açaí com os companheiros de treino”, destacou o empresário.

Inclusive, o Jiu-Jitsu tem um papel fundamental no sucesso das empresas de Carlos Henrique, que além da rede de açaí, também atua nos ramos das máquinas de sorvete, gelaterias e produção de embalagens.

“A arte marcial me ensinou a ter disciplina, calma, aprender que apanhar faz parte do processo e que o mais importante era me levantar, assim como no empreendedorismo, onde a falha faz parte do sucesso. Tanto no tatame quanto no dia a dia vendendo açaí, eu tenho a consciência de que todo erro é um aprendizado”.

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade