Adaptação aos EUA e treinos na ATT: Ariane Lipski detalha evolução antes do UFC Vegas 28

Publicidade

* Vinda de derrota para Antonina Shevchenko em sua última luta, Ariane Lipski será uma das atletas representando o Brasil no card do UFC Vegas 28, que acontece no próximo sábado (5), em Las Vegas, nos Estados Unidos. A curitibana vai encarar Montana de la Rosa e, além de recuperação, vai em busca da sua terceira vitória dentro do Ultimate. Para isso, a atleta se mostrou disposta a evoluir seu jogo e, desde sua última luta, que aconteceu em novembro, passou a morar na Flórida (EUA), onde vem treinando na renomada American Top Team desde o mês de janeiro.

Em entrevista à TATAME, Ariane, atualmente com 27 anos e um cartel de 13 triunfos e seis reveses no MMA profissional, falou sobre como esse período de praticamente um semestre na American Top Team, onde ela considera que evoluiu em todas as partes do seu jogo, principalmente na parte defensiva do Wrestling, como conta a seguir.

“Estamos aqui nos EUA desde minha última luta e desde janeiro eu já estava treinando, buscando evolução, ajustar os erros da última luta e seguindo o processo de evolução na parte da luta em pé. Quando marcaram a luta, eu já estava em um bom ritmo de treino, então foi só focar mais na parte de estratégia para a luta. Onde sinto que mais melhorei foi no Wrestling, principalmente a parte defensiva para essa luta, porque a Montana é wrestler e vai tentar me colocar no chão.

Isso (evoluir no Wrestling) me trouxe mais confiança para mostrar meu jogo em pé, meu Muay Thai, meu estilo de Curitiba, que é a trocação. Não preciso mais ficar com medo de entrar, medir distância, de ser derrubada, porque vou estar preparada para isso, estou com meus reflexos bons, com as posições e técnicas certas, meu corpo vai estar preparado isso. Treinar na ATT tem sido muito bom, muitas parceiras de treino excelentes, uma equipe com estrutura muito boa. Antes, era só eu e meu treinador, Renato Silva, contra o mundo. Agora a gente tem uma estrutura ímpar. Agora o Renato tem outros grandes treinadores para somar, principalmente o Conan Silveira e o Steve Mocco, que também estarão no meu córner. Venho com algo a mais e estarei preparada para tudo, com um aprendizado e evolução enormes. Os fãs de MMA vão ver uma Ariane mais madura”, projetou Ariane.

Ao longo da entrevista, a ex-campeã peso-mosca do evento europeu KSW falou sobre o fato de Montana afirmar, em entrevista ao site “BJPenn”, que a luta agarrada era seu carro-chefe e que procuraria explorar isso contra a brasileira, acrescentando que o Jiu-Jitsu era a parte mais “fraca” de Ariane. Além disso, a curitibana falou sobre sua adaptação aos EUA e os planos para o seu futuro no Ultimate.

Veja outros trechos da entrevista com Ariane Lipski:

– Comentários de Montana de que iria buscar a luta agarrada por se tratar de uma “fraqueza” sua

Não cheguei a ver, mas concordo em partes com ela, porque chega num nível que a gente não consegue mais esconder nossa estratégia. Eu gosto da luta em pé, é onde me sinto confortável, já ela gosta da luta agarrada, sempre fez isso. Ao contrário de mim, que tenho três finalizações na carreira – uma delas foi eleita uma das melhores finalizações do ano no UFC -, ela não tem um nocaute na carreira. Porém, isso não quer dizer que não vou estar esperando que ela evoluiu na parte em pé, porque pode ser uma jogada dela para eu ficar desatenta e só treinar o grappling. Tenho que estar preparada para tudo, então estou pronta para uma adversária ainda melhor na luta em pé, melhor no Wrestling e melhorando até mesmo os erros que ela já cometeu na luta agarrada. Estou pronta para tudo e para impor meu jogo em pé, quero manter a luta assim. Mas se a luta for para o chão, ela também tem que ficar esperta com as minhas finalizações, porque se eu tiver a oportunidade, eu vou acabar com a luta, com certeza.

– Adaptação aos Estados Unidos

A gente se adaptou muito bem a Flórida (EUA), o clima aqui é muito bom, favorece nosso estilo de vida, que é saudável, mais perto da natureza, morando perto da academia. A adaptação foi excelente, a qualidade de vida é muito boa, muito diferente de Curitiba, que é muito frio (risos). A gente não sente saudade do clima de Curitiba, mas sentimos falta da família, do nosso time (Rasthai), das pessoas que convivemos em Curitiba. O nosso plano é continuar morando na Flórida, seguir na American Top Team, mas indo com mais frequência ao Brasil, onde temos nossa academia e nossa família. Então, é manter esse contato o quanto pudermos durante o ano, mas nossa casa por enquanto, e pelo menos por um bom tempo, será a Flórida.

– Planos dentro do UFC

A gente veio para o UFC com o sonho de ser a melhor, a campeã, e esse continua sendo o objetivo e foco. Mas eu sinto que cresci muito dentro do UFC, em questão de maturidade mental e física. Entrei com 24/25 anos e agora estou com 27, então me sinto melhor em todos os sentidos. Não parei de treinar desde que entrei no UFC, estou procurando sempre o melhor que posso, junto ao meu treinador, justamente com essa decisão de vir morar nos EUA. Estamos fazendo tudo o que está ao nosso alcance para eu ser a melhor atleta, mas tem um tempo certo para isso. Para esse ano, quero lutar mais duas vezes, não quero mais ficar mais seis meses sem lutar. Quero estar saudável para voltar o quanto antes após a luta de sábado. Quero aproveitar minha idade para obter o máximo de experiência. Não miro um nome, mas posso dizer que o cinturão está na minha mira e, no tempo certo, vou conseguir.

CARD COMPLETO:

UFC Vegas 28
UFC Apex, em Las Vegas (EUA)
Sábado, 05 de junho de 2021

Card principal (20h, horário de Brasília)
Peso-pesado: Jairzinho Rozenstruik x Augusto Sakai
Peso-pesado: Walt Harris x Marcin Tybura
Peso-médio: Roman Dolidze x Laureano Staropoli
Peso-meio-médio: Santiago Ponzinibbio x Miguel Baeza
Peso-médio: Dusko Todorovic x Gregory Rodrigues
Peso-médio: Tom Breese x Antonio Arroyo

Card preliminar (17h, horário de Brasília)
Peso-pena: Makwan Amirkhani x Kamuela Kirk
Peso-mosca: Montana de la Rosa x Ariane Lipski
Peso-pesado: Tanner Boser x Ilir Latifi
Peso-meio-médio: Francisco Massaranduba x Muslim Salikhov
Peso-leve: Alan Nuguette x Mason Jones
Peso-mosca: Manon Fiorot x Maryna Moroz
Peso-pena: Sean Woodson x Youssef Zalal
Peso-leve: Claudio Puelles x Jordan Leavitt

* Por Mateus Machado

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidadespot_img