Mahamed Aly relembra apoio de Penco ao trocar de equipe: ‘Quando o professor apoia o jovem, ele tem sua gratidão para sempre’

Publicidade

* É comum o atleta, em algum momento de sua jornada rumo ao topo do Jiu-Jitsu, se perguntar se a equipe que ele faz parte é a melhor para que ele possa atingir os seus objetivos. Mahamed Aly, faixa-preta e campeão mundial, deixou o time comandado por Everaldo Penco, no Rio de Janeiro, e foi para os Estados Unidos treinar com Lloyd Irvin. Neste processo de transição, o lutador teve total respaldo do antigo professor, que inclusive o aconselhou a mudar para seguir em uma constante evolução dentro da arte suave.

LEIA A TATAME #264 ONLINE, AQUI

“O Everaldo (Penco) foi o cara que disse que eu precisava de uma academia lá fora (exterior) para treinar. Tanto que hoje, quando estou no Rio de Janeiro, a primeira coisa que eu faço é pegar meu quimono e ir treinar com ele. É uma amizade grande e até pensamos em abrir uma academia juntos. Quando o professor apoia o jovem, o sonho de um adolescente, ele tem a amizade e gratidão para sempre”, disse Aly, que seguiu:

“Esse apego com o professor, apego com o aluno… Quando só está bom para um lado, na minha opinião, não é inteligente. Se o aluno está pensando em desistir do esporte porque não tem como bancar e tem alguém querendo fazer isso por ele, ou o professor não tem condições, isso não tinha nem que ser dúvida. O professor tinha que ter orgulho de fazer isso pelo aluno. O aluno também deveria ter uma naturalidade para aceitar esse tipo de proposta e ponto final”, analisou o faixa-preta em entrevista à TATAME.

“O cara que chama o outro de ‘creonte’, hoje em dia, é ridículo, é burro, ignorante, ultrapassado. E, com certeza, é um cara que não deu certo no esporte. Não vejo um cara que deu certo no esporte falando isso”, disparou Aly sobre o termo “creonte”. 

Mahamed também comentou sobre a proposta dos professores receberem um valor caso um atleta formado por eles decida mudar de equipe: “Acho que poderia, sim, ter um ressarcimento se a coisa já tivesse profissional e dando dinheiro para todo mundo. O que não é o caso. O atleta não dá retorno financeiro direto para a academia que ele está e não dará esse retorno para a academia que ele vai. Hoje não funciona. É algo a se pensar, mas não acho que seja a solução para nada. A equipe que pega um atleta novo, está assumindo um compromisso financeiro, mas ele não está assumindo para ter tanto de retorno. A matemática não é fácil de fazer. O professor que sugere isso, está na profissão errada. Ele está fazendo por ele, não pelo atleta. Se o professor faz por ele, tem que melhorar como estrutura”, concluiu.

*Por Yago Rédua

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidadespot_img