Amanda cita ‘lentidão’ em acordo para luta com Cyborg e dispara: ‘Eu não sei o que está errado’

Publicidade

A negociação para a luta entre Amanda Nunes, campeã dos galos do UFC, e Cris Cyborg, dona do cinturão dos penas, vem se arrastando há cerca de um mês. Essa demora para oficializar o acordo tem gerado uma insatisfação na “Leoa”. Em entrevista ao site MMA Junkie, a lutadora da ATT comentou sobre a negociação e contou que ainda não recebeu o contrato para assinar por parte do Ultimate, reclamando da situação sem definição.

“Queria essa luta. (Cyborg) nem sequer pensou nisso quando decidi fazer. Eu mandei mensagem para o Dana White e disse que queria essa luta. Estou pronta para subir (de categoria). Queria algo grande para a minha carreira, e decidi que o próximo passo seria a Cyborg. Mas as negociações estão muito lentas. Não sei o que está errado, mas nem vi o meu contrato ainda. Nada é oficial”, disparou Amanda, afirmando ainda que não deseja enfrentar a compatriota em peso-casado e, sim, na categoria até 66kg, a de Cyborg.

“Não quero um peso-casado, vou para 66kg. Não quero fazer isso (cortar peso) por tanto tempo, e já lutei lá (no peso-pena) antes. Tenho que seguir uma dieta para emagrecer, quero tirar uma pequena pausa disso e subir. Acho que esta é a melhor opção para mim agora. Minha primeira luta no Strikeforce foi nos 66kg contra Julia Budd. As coisas funcionaram muito bem para mim, e eles não têm ninguém na minha divisão”, comentou.

A respeito de Cyborg ser “temida” no MMA feminino, isso não gera “medo” em Amanda. A campeã dos galos disse que tem seu valor e são grandes as chances de sair vitoriosa.

“Sei que ela é poderosa, sei que é uma grande lutadora, mas quando se trata de lutadora, também sou boa. Não estou assustada de entrar na frente dela. Por que estaria? Respeito-a como lutadora, mas sei que tenho grande chance de conseguir o cinturão, com certeza”, projetou Amanda, que vê Conor McGregor como “motivação” para fazer história no UFC.

“Fiz muito pela divisão de 61kg e partiria o meu coração perder o cinturão e não poder mais defendê-lo. Mas vamos ver se terei que o deixar vago. Vou sentar com Dana White e ver o que ele pode fazer. Adoraria defender os dois cinturões, mas sei que é difícil, talvez tenha que escolher um. Será grande para as mulheres no MMA, por isso estou tão animada. Nunca aconteceu de uma garota disputar dois cinturões. Serei a primeira. Se acontecer, serei a única. Quero isso”, encerrou Nunes, que já tem duas defesas nos galos.

A ideia de uma possível luta entre as duas brasileiras surgiu ainda no UFC 219, último card de 2017. A princípio, apenas Cris Cyborg era contra a realização do duelo, mas a campeã dos penas “aceitou” o confronto e chegou anunciar que o embate seria no UFC 226, dia 7 de julho, na International Fight Week, em Las Vegas (EUA). No entanto, a franquia ainda não confirmou a data e local do embate, e Amanda Nunes segue aguardando por isso.

Publicidade

Notícias relacionadas

3 COMENTÁRIOS

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade