Após nova vitória e recordes batidos, Patrício Pitbull afirma: ‘A cada luta mostro que sou o melhor do mundo’

Publicidade

Por Mateus Machado

Campeão peso-pena do Bellator, Patrício Pitbull fez mais uma vítima na organização. Após uma guerra de cinco rounds, o brasileiro levou a melhor sobre Emmanuel Sanchez por decisão unânime na luta principal da edição 209, realizada em Israel, no último dia 15. O novo triunfo, terceiro consecutivo do potiguar, foi ainda mais especial pela quebra de recordes: Patrício agora é o líder do Bellator em número de vitórias, resultados positivos em lutas por cinturão, além do maior número de nocautes e finalizações em sua divisão.

Com o cinturão em sua posse e recordes batidos, Pitbull não quer saber de acomodação. Sedento por novos desafios, o lutador de 31 anos quer seguir fazendo história no Bellator e, em entrevista à TATAME, revelou o desejo de enfrentar lutadores de outras categorias.

“Quero lutar pelo menos três vezes (em 2019) e disse isso ao Bellator. Espero fazer lutas novas e empolgantes para os fãs. Tem alguns caras que quero enfrentar em outras categorias também e espero ter a chance dessas lutas saírem. Quem eles (Bellator) forem enfileirando eu vou batendo”, garantiu o brasileiro, um dos líderes da Pitbull Brothers.

Confira a entrevista completa com Patrício Pitbull:

– Recordes batidos após a última vitória

Sou o lutador com mais vitórias na história do Bellator, 16. O lutador com mais vitórias em lutas por cinturão, seis. Tenho o maior número de nocautes (seis) e de finalizações (quatro) na minha categoria, e sou o segundo em toda a organização em número de vitórias sem ser pelos juízes (dez). A cada luta faço história lá dentro e mostro que não apenas sou o melhor do mundo atualmente, mas tenho sido por muitos anos, com certeza.

– Análise da luta contra Emmanuel Sanchez

Foi uma luta muito boa, muito disputada. Sanchez foi muito duro, aguentou bastante porrada e veio com uma boa estratégia. Mas consegui impor meu jogo, acertei os golpes mais fortes, ele saiu com o rosto todo machucado, e fui superior a ele nas quedas e no chão. A luta, como um todo, foi difícil, méritos dele que me forçou a lutar no meu melhor.

– Sanchez ou Weichel: qual foi mais difícil

A luta contra o Emmanuel Sanchez foi mais difícil. Embora contra o Daniel Weichel um árbitro tenha dado a vitória para ele, acho que ele não estava prestando atenção na luta. Na minha contagem, venci quatro dos cinco rounds. Nessa luta com o Sanchez, venci três claramente, e você pode até falar em quatro, mas no geral, foi uma luta mais disputada.

– Ações solidárias após a vitória em Israel

Pretendo leiloar o short (que usou na luta, em homenagem a Ayrton Senna), uma parte do valor será doado ao Instituto Ayrton Senna, que pretendo conhecer em breve, e doarei também para um hospital que trata de crianças com câncer aqui no Rio Grande do Norte. Além disso, estive no Exército e peguei um mapa das regiões de seca no estado e onde podem ser abertos poços e pretendo investir parte do dinheiro arrecadado em levar água.

– Próximo desafiante na categoria dos penas

Tem algumas opções aí surgindo e eu quero bater em todo mundo. O mais qualificado no momento é o AJ McKee, mas todos que me desafiaram tem uma surra guardada aqui com o nome deles. A ordem, para, mim não faz diferença. Espero estar de volta logo. Março ou abril seriam o meses ideais. Não vejo a hora de já entrar no cage novamente.

– Planos no Bellator para o ano de 2019

Quero lutar pelo menos três vezes e disse isso ao Bellator. Espero fazer lutas novas e empolgantes para os fãs. Tem alguns caras que quero enfrentar em outras categorias também e espero ter a chance dessas lutas saírem. Já muitas vezes pedi luta e o Bellator perdeu a oportunidade de fazer acontecer. Agora resolvi focar no meu trabalho e não criar expectativas nesse sentido. Quem eles forem enfileirando eu vou batendo, é o espírito.

Publicidade

Notícias relacionadas

3 COMENTÁRIOS

  1. NUNCA VAI SER CONSIDERADO O MELHOR ENQUANTO NÃO VENCER OS MELHORES, AQUELES QUE SE ENCONTRAM NO UFC. DA MESMA FORMA QUE NUNCA UM TIME DA SEGUNDA DIVISÃO IRÁ SER CONSIDERADO O MELHOR DO BRASIL.

    NO MÁXIMO SERÁ CONSIDERADO UM BOM LUTADOR, MAS ENQUANTO NÃO LUTAR NO UFC NÃO TERÁ LEGADO A SER RECONHECIDO. VEJO QUE VOCÊ FOGE DISSO. TEM MEDO DE REALMENTE TER LUTAS DURAS PELA FRENTE. É MUITO CÔMODO FICAR NO BELLATOR.

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade