Artigo: a importância do professor proporcionar um espaço seguro para as crianças

Publicidade

* Ao ingressar nas academias de artes marciais, a criança passa a experimentar um mundo desconhecido. Este espaço não é a escola e nem a sua casa, pois ela irá vivenciar experiências novas e diferentes com outras crianças em um ambiente adaptado, onde ela não está acostumada, usando quimono (roupa diferente para muitos), podendo ficar descalço em um piso de borracha colorido (tatame) e com o tempo buscando compreender a importância das faixas e suas cores. 

Disponibilizando todos esses estímulos novos, com objetivos diferenciados e, ao mesmo tempo, travará contato com uma nova figura de autoridade, o “mestre”, é ele quem a orientará e a iniciará nos treinos, trabalhando com diversas atividades físicas e estimulando o desenvolvimento de novas habilidades psicomotoras, sobretudo o desafio da obediência a novas regras comportamentais, que exigirão um modelo de disciplina nem sempre praticadas no seio familiar e na escola.

Este será um dos primeiros desafios da criança: adequar-se aos limites que lhe serão impostos e, por outro lado, viver uma série de treinos e orientações dadas pelo professor. É nesse momento que o mestre precisa ficar atento em relação a seu aluno, proporcionando amparo e segurança física e emocional, para que o mesmo não tenha dificuldades, já que o espaço conhecido do lar e da escola é substituído pelo tatame, onde novos hábitos serão desenvolvidos para trilhar as novas experiências.

A atenção do professor deverá se redobrar enquanto elabora os objetivos a serem conquistados nos treinos, ajustando-os ao nível de maturação neurológica apresentada por cada criança, utilizando para tal a observação dos resultados por eles atingidos. Desse ponto em diante, os avanços dos treinos, assim como os das dificuldades, deverão ser registrados.

É um período em que a criança começa a sentir-se cobrada quanto ao seu rendimento e passará a entender que, dali em diante, deverá treinar de forma responsável, respeitar seus colegas, a lidar com a frustração de perder uma luta e o equilíbrio de saber ganhar de forma natural, evitando estrelismo e arrogância. 

No relacionamento com o mestre, a criança pode apresentar o medo de ser repreendida, dos treinos serem difíceis e de não dar conta de obter sucesso. Por esse motivo a importância do professor proporcionar um ambiente calmo, onde a criança se sinta amparada diante das suas inseguranças. 

Caso as dificuldades da criança sejam detectadas rapidamente pelo mestre e orientadas de forma tranquila, ela prosseguirá sua trajetória sem nenhum entrave, permitindo à criança prosseguir na conquista de suas capacidades, ajudando-a a recuperar a motivação para os treinos.

Por outro lado, se a falta de motivação é uma das consequências da ausência de disciplina pessoal para realizar as obrigações, é sinal de que a criança não construiu os sensos de responsabilidade e de comprometimento que a habilitariam a cumprir seus objetivos nos treinos. Por isso, é importante que o mestre procure saber se a criança é orientada e estimulada pelos pais e se as desobediências são discutidas e corrigidas.

Se os sensos de responsabilidade e comprometimento não estiverem sendo trabalhados e cobrados nessa fase, muito provavelmente as desculpas para não treinar poderão surgir. É o momento da criança começar a desenvolver o caráter e, com ele, os comportamentos morais, que deverão ser-lhe ensinados e exigidos para que possa aprender a cumprir suas obrigações, sem que necessite ser cobrada para tal. Somente depois dessa aprendizagem, ela estará apta a fazer escolhas morais e saberá estabelecer, para si mesma, o quanto do seu tempo poderá dedicar a treinar e a fazer o que lhe dá prazer. 

É preciso que os mestres e professores de artes marciais se mobilizem para receber essas crianças em suas academias, ajudando de forma adequada. Sobretudo, é necessário que assumam o compromisso de desenvolver suas capacidades físicas e emocionais.

Dica de Leitura

  • Mentes que Aprendem: um ensaio sobre a prontidão para aprendizagem/ Susan Zimong Leibig, (organizadora). São Paulo: All Print Editora, 2011.

Quem sou eu? Mônica de Paula Silva, também conhecida como Monica Lambiasi, é graduada em Pedagogia desde 2004. Concursada pela Prefeitura de Embu Guaçu – SP, atua há 13 anos como psicopedagoga clínica, área na qual é pós-graduada desde 2006. Em 2008 concluiu pós-graduação em Didática Superior, e em 2009 concluiu pós-graduação em Educação Especial e Educação Inclusiva. Já em 2017 concluiu pós-graduação em neuropsicopedagoga, e atualmente estuda psicanálise e neurociência. Também é escritora.

Contatos: WhatsApp (11) 99763-1603 / Instagram: @lambiazi03

* Por Mônica de Paula Silva

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidadespot_img