Bicampeão em GP peso-leve da PFL, Natan Schulte fala sobre estreia da nova temporada e busca por novo milhão: ‘Ansioso para voltar’

Publicidade

* Atual campeão peso-leve da PFL (Professional Fighters League) e bicampeão do GP da categoria na organização, em 2018 e 2019 – faturando US$ 1 milhão como prêmio pelo título em cada ano -, Natan Schulte está pronto para defender seu cinturão no começo da temporada 2021, que começa nesta semana, tendo em vista o cancelamento da temporada de 2020 por conta da pandemia da Covid-19. Na próxima sexta-feira (23), o brasileiro inicia sua trajetória rumo ao tricampeonato em duelo contra o experiente Marcin Held, que vai acontecer em Atlantic City, nos Estados Unidos.

Com um cartel de 20 vitórias e apenas três derrotas no MMA profissional, Natan, de 29 anos, conversou com a TATAME e falou sobre a chegada de nomes importantes do esporte ao plantel da PFL, como é o caso do ex-campeão peso-leve do UFC, Anthony Pettis, que vai disputar o torneio em sua divisão de peso, além de Fabrício Werdum, Rory MacDonald, Antônio Cara de Sapato e Gleison Tibau, que também já passaram pelo Ultimate.

“Estou bem ansioso para essa nova temporada, para voltar a lutar, porque eu estava num ritmo bom de luta (antes da pandemia). Fiz cinco lutas em 2018 e cinco lutas em 2019. Eu entendi o cancelamento da temporada em 2020, por conta de toda a pandemia, mas estou bem motivado para voltar a lutar nessa nova temporada. Na temporada de 2019, a PFL também alterou bastante o plantel de lutadores em relação ao ano de 2018. Eles sempre fazem isso, de renovar muitas categorias com a chegada de novos lutadores. Chegaram muitos atletas duros, muitos nomes fortes e eu já analisei boa parte dessa galera que chegou para disputar o GP da minha categoria”, projetou o casca-grossa.

Desde que chegou a PFL, em 2018, Natan Schulte está invicto na organização, com nove vitórias e um empate ao longo das duas temporadas que disputou e se tornou campeão. Sem lutar desde 31 de dezembro de 2019, data em que superou Loik Radzhabov na decisão unânime e conquistou a segunda temporada do torneio, mantendo o cinturão peso-leve em sua posse, o catarinense garantiu que a questão física não será um problema visando o combate da próxima sexta-feira, apesar do período de mais de um ano sem lutar.

“Fiquei triste pelo cancelamento da temporada no ano passado, mas eu continuei treinando o ano inteiro. Claro que não como se fosse me preparar para uma luta, mas eu me mantive treinando diariamente e isso me ajudou a melhorar ainda mais na parte em pé, no solo, no Wrestling. Nesse um ano que fiquei parado, consegui ajustar bastante o meu jogo. Acredito que não vou sentir falta do ritmo de luta, porque vai fazer um ano e quatro meses desde minha última luta, e eu já fiquei períodos maiores sem lutar, então acho que não vai me prejudicar”.

Ao longo do bate-papo, o atleta da American Top Team fez uma breve análise do polonês Marcin Held, lutador que vem do evento russo ACA e já teve passagem pelo UFC, exaltou o crescimento da PFL nos últimos anos e contou o que o mantém motivado a treinar diariamente e continuar lutando com dois prêmios de US$ 1 milhão conquistados nas duas temporadas em que foi campeão na organização.

Veja outros trechos da entrevista com Natan Schulte:

– Análise do primeiro adversário no torneio

Eu e o Marcin já treinamos juntos na American Top Team. há uns três anos. É especialista no Jiu-Jitsu, aplica boas chaves de joelho e calcanhar. É um cara muito duro na parte de chão, mas como todos, tem brechas no jogo. Estamos analisando isso para poder fazer uma grande luta na próxima sexta-feira.

– Crescimento da PFL e de outros eventos de MMA

Fico feliz pelo crescimento de outros eventos, não só da PFL. Quanto mais eventos grandes, quanto mais eventos como a PFL no mercado, mais oportunidades os atletas vão ter, não apenas os brasileiros. Precisamos de grandes organizações, como a PFL, Bellator, ONE Championship, para ter espaço para todos. São muitos lutadores de MMA espalhados pelo mundo e nem todos tem espaço para lutar no UFC.

– Você já ganhou duas vezes o prêmio de US$ 1 milhão. O que te mantém motivado no MMA?

O que me mantém treinando diariamente, essa vontade de lutar, tudo isso não é movido pelo dinheiro em si. Claro que o dinheiro é um combustível que ajuda a gente, mas não fui movido a isso. Eu sempre gostei de lutar e sempre quis poder me dedicar somente à luta, como estou fazendo hoje. Esse sempre foi meu maior desejo, desde quando comecei no MMA. Eu sempre dividi a luta, os treinos, com diversos outros trabalhos, para complementar a renda, ajudar minha família, essas coisas… E desde que comecei na PFL, desde a minha segunda luta na PFL, consigo me dedicar 100% à luta. Esse era o meu maior objetivo. Treinar e lutar sem precisar conciliar com outros trabalhos.

– Em meio a esse tempo na PFL, já teve vontade de lutar em outros eventos, como o UFC?

Já tive vontade, mas o tratamento que a PFL tem com os atletas, essa oportunidade da gente conseguir ganhar US$ 1 milhão em um ano, isso é muito difícil de conseguir em outra organização, até mesmo pelo UFC. Isso é o que deixa PFL muito atrativa, não só para mim, mas para todos os atletas. São poucos lutadores no MMA que recebem valores significativos, então é isso que torna a PFL cada vez mais competitiva, certamente.

* Por Mateus Machado

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidadespot_img