‘Bones’ do Jiu-Jitsu, Devhonte Johnson lembra participação no BJJ Stars, período no Brasil e descreve Leandro Lo: ‘Simplesmente selvagem’

* Um dos representantes da nova geração de faixas-preta de Jiu-Jitsu dos Estados Unidos, Devhonte Johnson brilhou nas faixas coloridas e, desde então, vem buscando seu lugar ao sol na elite da arte suave. Atrás do objetivo, o americano se aventurou em terras brasileiras e participou da quarta edição do BJJ Stars, realizada no fim do ano passado, quando encarou o casca-grossa Patrick Gaudio. O confronto foi decidido nos detalhes e terminou com triunfo de Gaudio por uma vantagem após empate em 2 a 2 nos pontos.

Em entrevista exclusiva à TATAME, “Bones”, como é conhecido o lutador, falou sobre sua participação no BJJ Stars, a experiência de retornar ao Brasil – onde já atuou outras vezes -, treinos com o multicampeão Leandro Lo e, entre diversos assuntos, contou como se tornou fã dos Racionais MC’s, famoso grupo de rap brasileiro.

“Minha passagem pelo Brasil foi incrível, adoro o país e a comunidade de Jiu-Jitsu. Todos me tratam bem e eu sempre conheço novas pessoas, o que torna as coisas ótimas. Na última viagem gostei muito de conhecer o pessoal da Barbosa BJJ. Também tive o prazer de treinar com o Leandro antes do evento. Eu, definitivamente, sinto que fiz grandes amigos e sou muito grato por isso. O Brasil é especial pra mim sempre que venho. Sobre o evento, o BJJ Stars fez um trabalho incrível, se esforçando ao máximo para cuidar dos atletas”, contou Johnson, completando sobre os treinos com Lo e outros faixas-preta na Gracie Morumbi (SP).

“Cara, foi um prazer. O Leandro é simplesmente selvagem. Todos os outros caras também foram super legais e parceiros de treino duros. Eu me diverti muito, cada rodada era uma guerra, e então saíamos e os observava bebendo refrigerante (risos). Eu não sabia que os brasileiros amavam tanto Coca-Cola”, lembrou.

 

Em sua penúltima aparição no Brasil, durante a Copa Podio, em 2018, Devhonte veio sozinho, e acredita que o fato tenha atrapalhado no seu desempenho. Já para o BJJ Stars, o americano contou com o apoio do casca-grossa Murilo Santana, professor de Johnson e líder da Unity Jiu-Jitsu. “É muito importante ter pessoas em quem você pode confiar ao seu lado em oportunidades como essas, porque é um ótimo lembrete de quem você é e pelo que está lutando. Cada atleta tinha uma comunidade de pessoas por trás deles (no BJJ Stars), e quando você olha para o canto e vê uma representação disso também, seu professor, é o empurrão extra”.

“O Murilo é, simplesmente, o melhor professor do mundo, e teria sido muito difícil estar onde estou sem ele andando comigo a cada passo do caminho. Ele é o grande responsável pela minha evolução como atleta, principalmente porque há muito poucas pessoas com o seu nível de dedicação. Esse homem é o resumo de bom trabalho e disciplina”, elogiou o faixa-preta, que treina sob os cuidados do brasileiro em Nova York (EUA).

Confira abaixo outros trechos da entrevista:

– Você entrou no tatame ouvindo Racionais MC’s, um importante grupo de rap brasileiro. Como conheceu?

Sim, eu amo os Racionais MC’s, escuto eles na minha academia quase todos os dias e ouvimos o tempo todo nos treinos profissionais do Unity NYC. Aprendi sobre eles através do Murilo, ele costumava tocá-los nas aulas e eu adorei o ‘flow’, embora não soubesse o que diziam (risos). Fiquei louco e fui olhar as letras, aprender um pouco sobre eles. Hoje sou fã. Frequentemente escuto entrando para lutar, mesmo nos Estados Unidos.

– No backstage, depois da luta, você conversou com o Ice Blue, integrante dos Racionais. Como se sentiu?

Consegui conversar com o Ice Blue e foi bem louco na verdade, porque eu estava tão focado no torneio, que o Murilo me falou antes e eu não fui de jeito nenhum (risos). Mas pude conversar com ele depois e dizer o quanto sou fã, tirar uma foto. A música que eles fazem transcende o idioma, a cultura ou qualquer outra barreira que existe na sociedade, você pode sentir o significado das músicas na forma que eles passam.

– Pensa em retornar mais vezes ao Brasil e, futuramente, disputar o Campeonato Brasileiro de Jiu-Jitsu?

É tão incrível lutar no Brasil que não há lugar igual, e sério. Espero voltar muito em breve, treinar e curtir com o Leandro Lo e a galera da Gracie Morumbi. E sim, estarei lutando no próximo Campeonato Brasileiro (quando voltar). Já lutei uma vez, de faixa colorida, deu tudo certo, então mal posso esperar para lutar na faixa-preta.

* Por Diogo Santarém