Campeã de GP, Jessica Delboni celebra nova chance de disputar cinturão no Invicta FC: ‘Serei campeã mundial’

Publicidade

* Ao longo dos últimos meses, a carreira de Jessica Delboni passou por uma reviravolta de acontecimentos. Em maio, a brasileira disputou o cinturão peso-átomo do Invicta FC – evento exclusivo para mulheres – e, em resultado polêmico, acabou sendo derrotada pela campeã Alesha Zappitella na decisão dividida dos jurados. No mês seguinte, em junho, a lutadora recebeu a oportunidade de disputar um GP da categoria. Jessica deu a volta por cima, teve boas atuações e superou três adversárias na mesma noite (Tabatha Ann Watkins, Marisa Messer-Belenchia e Lindsey VanZandt) para conquistar o título do importante torneio.

Com a conquista do GP peso-átomo do Invicta FC, Delboni ganhou o direito de enfrentar Zappitella de novo pelo cinturão. O confronto ainda não tem data confirmada, mas a brasileira, em entrevista à TATAME, falou da expectativa para o reencontro com a americana e o que pretende fazer para, dessa vez, sair vitoriosa.

“Como venci o GP, ficou definido que vou lutar contra a Alesha de novo, mas ainda não tem data. A estratégia vai ser a mesma nessa revanche, só que dessa vez não vou esperar muito. Eu já não pretendia deixar nas mãos dos juízes na primeira luta, mas aconteceu o que aconteceu. A Alesha tem um Wrestling muito bom, mas não sofri nenhuma queda na primeira luta e também não pretendo ser derrubada nessa revanche (risos). Estou treinando muito, de tudo, e creio que dessa vez sairei com a vitória. Não tem mistério, a intenção é ir para o nocaute desde o início. Estou focando bastante também na preparação física, assim como defesa de quedas, Boxe, Muay Thai e Jiu-Jitsu”, projetou Jessica, que completou 28 anos na última terça-feira (7).

Ao longo do bate-papo, Jessica Delboni, que possui um cartel somando 11 vitórias e três derrotas no MMA profissional, comentou sobre outros assuntos, como a polêmica derrota sofrida para Alesha Zappitella em maio, a experiência de ter disputado o GP peso-átomo e vencido três adversárias durante a mesma noite, o fato de estar vivendo a melhor fase da sua carreira e a expectativa de, futuramente, ser contratada pelo UFC.

Confira outros trechos da entrevista com Jessica Delboni:

– Derrota polêmica em disputa de cinturão com Alesha Zappitella

Fiquei muito chateada, porque venci aquela luta, tinha certeza. Foi tão frustrante que falei para o meu mestre que ia desistir, disse a ele que ficaria um tempo sem lutar, que eu não lutaria mais no Brasil. A chateação foi grande, porque eu treinei muito, assim como em todas as lutas, então quando perco, fico bem frustrada. Foi quando a dona do Invicta FC me disse que, três semanas depois, teria um GP na minha categoria e que também não tinha concordado com o resultado da luta contra a Alesha. Ela disse que se eu vencesse as três lutas do GP, lutaria pelo cinturão novamente. O meu mestre disse para eu aceitar, porque já estava bem próximo. Continuei treinando, mas já estava pronta, justamente por ter lutado recentemente pelo cinturão. Se Deus me deu a oportunidade lutar o GP, era porque tinha algo bom reservado, e foi o que aconteceu.

– Como foi lutar o GP e vencer três adversárias na mesma noite

Achei a fórmula do GP legal, mas difícil, porque você não sabe quem vai enfrentar, já que a primeira luta é por votação e a segunda era quem finalizasse ou nocauteasse mais rápido na primeira luta. Na semana do evento, fiquei vendo as lutas das meninas que iriam fazer parte do GP e foi bem importante. Tentei não me expor muito na primeira e na segunda luta, pelo fato de saber que a luta que realmente contava era a terceira, a final. A primeira e segunda não entravam para o Sherdog, então eu sabia que tinha que ganhar, mas sem me expor muito, para não me machucar e ficar fora da final. A estratégia deu certo e, chegando na última luta, sabia que tinha que dar tudo de mim. Enfrentei uma adversária completa e fiz de tudo para nocautear. Não consegui, mas fiquei feliz com meu desempenho e saí com o título vencendo três meninas.

 

– Cinturão do Invicta FC e expectativa de ir para o UFC em breve

O Invicta FC é o maior evento de MMA feminino do mundo e, por ser do peso-átomo, serei campeã mundial, justamente porque o UFC não conta com essa divisão de peso e o Invicta é a maior organização. Isso é grande para mim e acredito, sim, que estarei bem próxima do UFC caso eu vença na disputa de cinturão. Até pela minha história, por esse GP, a disputa de título antes. Porém, sem pressão, não estou com pressa. No momento, só estou pensando no cinturão, que se Deus quiser vou conquistar. O que vier depois é lucro.

– Melhor fase da carreira até hoje e próximos planos no MMA

Estou com 28 anos e acredito que estou na melhor fase da minha carreira no momento. Hoje eu vejo que a nossa melhor fase é quando se está realizado, e eu estou. Quando cheguei ao Invicta FC, eu estava com 7-0 no cartel e pensei estar na minha melhor fase, mas hoje, sim, estou em um grande momento. Estou em uma grande organização, venci esse GP e meu nome está sendo exaltado. Lutei em outros eventos grandes no Brasil, mas hoje me sinto no auge. Vou conquistar esse cinturão, se Deus quiser, se vier o contrato com o UFC, ótimo, se não, também estou bem satisfeita no Invicta. É aguardar o que vem pela frente e espero muito que o Ultimate abra a categoria peso-átomo, pois daria oportunidade para mim e muitas outras atletas.

* Por Mateus Machado

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade