Coaching de lutadores de Jiu-Jitsu, Rodrigo Pedrosa diz: ‘O psicológico é quem comanda o resultado’

Publicidade

Por Yago Rédua

Coaching de diversos lutadores de ponta do Jiu-Jitsu como Tayane Porfírio, Thalison Soares, Manuel Ribamar, Nathiely Jesus, Jaime Canuto, entre outros, Rodrigo Pedrosa lidera um programa chamado “Mente Campeã”. O trabalho, desenvolvido pelo próprio profissional, tem como intuito melhorar o rendimento dos atletas nos torneios.

“O programa ‘Mente Campeã’ tem como missão, através da utilização de ferramentas desenvolvidas por mim e com comprovação científica a partir de vários autores com expertises na utilização da PNL e do coaching, a melhoria da performance de todo e qualquer atleta seja profissional ou amador. A importância do trabalho é deixar o atleta com a mente forjada para toda e qualquer adversidade que possa acontecer durante a trajetória de um determinado campeonato”, destacou Rodrigo em entrevista à TATAME.

O trabalho do coaching vem sendo cada vez mais requisitado no campo esportivo, em especial nas artes marciais. Porém, a procura pelo profissional para cuidar da parte psicológica não era comum no passado, e Rodrigo Pedrosa explicou melhor esse motivo.

“O coaching, como metodologia para o desenvolvimento de atletas de alta performance, chegou como ponto fundamental para o atleta conseguir alcançar grandes resultados encurtando esse tempo, o que não acontecia no passado. Hoje, o Jiu-Jitsu contemporâneo e o MMA, que são as vertentes do meu trabalho, saíram da esfera do treino técnico, físico e nutricional. Atualmente, esse atleta se preocupa com o autoconhecimento e o investimento na preparação psicológica. No passado, era treino duro e ponto. Hoje é uma outra realidade. O atleta percebe que nos treinos ele está muito bem tecnicamente, porém nas competições os resultados não acontecem, porque no dia (da competição) o psicológico é quem comandará o resultado”, apontou Rodrigo, que citou um percentual a respeito do dia de treino e fez uma comparação de como funciona com o dia da competição. Veja:

Treino diário:
Psicológico 8% / Técnico 92%

Competição:
Psicológico 92% / Técnico 8%

“Percebe como ocorre a mudança? E como se você estivesse na montada e tomasse uma barrigada com o adversário posteriormente colocando você na meia-guarda. Em seguida, ele vai executar a raspagem com calma e tranquilidade. Por qual motivo? Ponto 1: ele se autoconhece. Ponto 2: ele já desestabilizou você psicologicamente. Ponto 3: ele sabe que ganhará de quem for. O atleta que tem essa evolução, ao longo do processo, com certeza vai chegar ao topo e saber administrar com calma e facilidade essas situações”, frisou.

Rodrigo contou que as conversas com os atletas acontecem através do Skype, WhatAsapp, e outros meios, sempre aproveitando o uso da tecnologia, tendo em vista que muitos lutadores viajam o mundo por causa das competições. Após alinhar os objetivos, trabalhar e alcançar metas, o coaching explicou o que espera do resultado final: “O objetivo é que no final eles possam conduzir sozinhos a sua carruagem de habilidades, atitudes e competências em um período mais curto, oposto ao que ocorria no passado”, encerrou.

Publicidade

Notícias relacionadas

1 COMENTÁRIO

  1. Nas competições a parte mental e de extrema importância para dosar o que é necessário a cada luta. O trabalho extraordinário para a vida de competições e profissional do atleta em sua carreira.

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade