Coluna da Arte Suave: tenha foco em cada combate e nunca subestime os seus adversários; confira e opine

Publicidade

Por Luiz Dias

Um conceito ou regra, não importa como classificar, mas sempre tenho para mim como ponto de partida ao dar um treino: nunca subestime seu adversário. Não importa qual a sua faixa, biotipo e até mesmo condicionamento físico. Se está ali de quimono para treinar, pisou no dojo, então é um parceiro de luta que tem de ser respeitado. Se está sem treino, fora de forma, não importa. Ele, até por saber de suas próprias condições, fazer um só ataque e encaixar uma finalização que seu adversário não espera e, assim, finalizar a luta.

Em um dos últimos treinos na minha academia, dois alunos meus foram treinar e o mais graduado tomou uma finalização que percebi que ele não esperava. E ter que dar os tapas mexeu com ele. Sentou ao meu lado e reconheceu seu erro. Subestimou seu oponente, e se lembrou, após bater, o que sempre digo. “Nunca subestime seu adversário”. 

Já lutei com amigos que percebiam que se sentiam com a supremacia da luta e, ao serem finalizados, ficarem surpresos. Não importa, eu penso assim. Se é um treino livre ou uma luta de campeonato, não me importa o histórico de lutas entre você e o seu oponente. Lute com seriedade, seu oponente pode e certamente estará sempre com a mente focada em te vencer. Pode ter treinado mais ainda, colocado em sua rotina mais e diferentes posições, um condicionamento físico mais apurado. Não tenha o seu histórico de luta com ele como a certeza do próximo confronto. Tenha seu histórico como um estímulo para te manter à frente, como um motivacional para cada vez você treinar mais e mais, e vencer.

Um general romano, em outras palavras, disse: “A vitória favorece quem mais se esforça por ela”. Não acredito em sorte, acredito em treinar muito, em se esforçar, se dedicar aos seus objetivos dentro e fora dos tatames. Enquanto você se achar melhor e não treinar para se manter em forma e evoluir no seu Jiu-Jitsu, vários lutadores estão nos tatames ralando para melhorar, buscando a vitória em suas lutas, e dependendo de cada situação ou foco, você mesmo pode ser o foco imediato dele. Talvez ele treine pensando: “Vou finalizar ele”, e esse foco pode ser uma meta saudável, nada contra pessoalmente, mas você pode representar o patamar ou o nível que ele deseja de imediato.

Ou seja, não descanse em vitórias passadas, mesmo que o retrospecto em confrontos e em campeonatos possa estar a seu favor. Respeite seu oponente, ele está ali para vencer também. Nos treinos livres, pense a mesma coisa. Perder, ninguém gosta, eu não gosto, nem nunca gostei. Mas perder sabendo que não treinou o suficiente, quando poderia ter treinado, no treino livre não lutou, achando que poderia finalizar quando quisesse, ou perdeu por não lutar focado, acredito que é a pior das derrotas. Então, mantenha o foco.

Para mais informações, veja https://www.instagram.com/luizdiasbjj/ ou entre em contato pelo e-mail [email protected] Também conheça o http://www.geracaoartesuave.com.br/. Boa semana, bons treinos e até a próxima!

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade