Coluna Treinamento Desportivo: a cafeína pode melhorar o desempenho nos esportes de combate?

Publicidade

* A cafeína é um dos suplementos mais consumidos no mundo (DA COSTA et al., 2021) e, de acordo com Pasa e Pasa (2017), o seu consumo é muito comum, pois está presente em diversos alimentos como achocolatados, refrigerantes, chás, bebidas energéticas, medicamentos e no próprio café. Pasa e Pasa (2017) estimam que 80% da população em geral faz ou já fez uso dessa substância de alguma das suas formas (café, refrigerantes, medicamentos, entre outros).

O primeiro estudo realizado com o intuito de analisar os efeitos da cafeína sobre a musculatura ocorreu em 1907 (RIVERS, WEBBER, 1907) e no artigo de revisão de Pickering e Grgic (2019) fica bem claro que na literatura científica a cafeína é um recurso ergogênico (que pode melhorar o desempenho).

No Brasil, os suplementos esportivos à base de cafeína podem conter a quantidade entre 210 e 420 mg por porção com o teor de 98,5% de pureza (BRASIL, 2010), e segundo Goldstein et al (2010), a recomendação é o consumo de 3-6 mg/kg de cafeína 60 minutos antes do início do exercício. E por melhorar o desempenho, essa substância foi considerada dopante em 1984, quando as entidades estabeleceram a quantidade de cafeína na urina de 15 mg/kg como proibida, sendo este limite reduzido para 12 mg/kg em 1985 (DEL COSO, MUÑOZ, MUÑOZ-GUERRA 2011). Atualmente, a cafeína não é mais considerada uma substância dopante (DEL COSO, MUÑOZ, MUÑOZ-GUERRA 2011).  

A cafeína tem mostrado efeito na medida em que a sua ingestão apresenta resultados na redução da dor muscular, aumentando o consumo de oxigênio durante o exercício e, assim, retardando a fadiga, principalmente pelo seu efeito lipolítico, que promove maior consumo de gordura, poupando o glicogênio muscular (HUNTER et al., 2002; WOOLF et al., 2008; GRAHAM et al., 2008). Nesse sentido, a cafeína melhora as atividades aeróbias, anaeróbias e a força (MIELGO-AYUSO et al., 2019; FETT et al., 2017; SALICIO et al., 2017).

Na musculatura, a cafeína possui o efeito de aumentar a liberação do cálcio do retículo sarcoplasmático, ou aumentar a sensibilidade das miofibrilas ao cálcio (TARNOPOLSKY, CUPIDO 2000), melhorando a contração muscular; no cérebro, ela age de forma antagonista aos receptores de adenosina, assim, aumenta a função neural (SILVA et al., 2020). Outro aspecto importante é o aumento da mobilização de ácidos graxos, diminuindo a utilização do glicogênio intramuscular como fonte de energia (SILVA, 2003). Isso é importante para os lutadores, porque ao controlar o peso corporal, a utilização de mais gordura poderá compensar a redução do glicogênio e auxiliar na perda de peso, sendo interessante para os atletas, porque níveis elevados de gordura corporal podem levar a uma lentidão nos golpes (PERÓN et al., 2009) e também porque os atletas são classificados por categorias de peso e estão sempre preocupados com isos (DUARTE et al., 2021).

Os estudos realizados com modalidades esportivas de combate em relação ao uso da cafeína são controversos. Segundo Coswig et al (2018), utilizando 6 mg/kg de cafeína 30 minutos antes do combate simulado de Boxe, os resultados demonstraram maior tempo em alta intensidade e maior quantidade de golpes desferidos; no estudo de Diaz-Lara et al (2016), atletas de Jiu-Jitsu tiveram aumento na força máxima de preensão manual, potência dos membros inferiores, quantidade de repetições no supino reto respectivamente, ambos quando comparados ao placebo. O estudo de Santos et al., (2014) com atletas experientes de Taekwondo foi observado no grupo que consumiu 5 mg/kg de cafeína retardo na fadiga. Em contrapartida, De Azevedo et al (2019) e Da Silva Athayde, Kons e Detanico (2018) não obtiveram resultados positivos no consumo de cafeína em atletas profissionais de artes marciais mistas (MMA) e judocas.

De acordo com Fett (2001), é importante tomar cuidado com altas dosagens, pois 15mg/kg causa nervosismo, tremores, insônia e desidratação. Outro aspecto importante quando se trata do consumo de cafeína são os efeitos colaterais que podem ocorrer, como: dor de cabeça, piora na qualidade do sono, aumento da pressão arterial, entre outros (PASA, PASA 2017). Os consumidores de café ou aqueles que consomem essa substância há algum tempo podem ter o efeito de tolerância (BEAUMONT et al., 2017), ou seja, aumentar as doses para ter o mesmo efeito. Além disso, o uso crônico causa dependência. Se houver interrupção do uso, poderá provocar mudança de humor, cefaléia (dores de cabeça) e fadiga no indivíduo (SILVA et al., 2020).

Com os diversos resultados contestados, recomendamos aos atletas que pretendem utilizar esse recurso ergogênico, testar incialmente no período de preparação para sentir como o corpo se comporta, sendo interessante o seu uso no microciclo de choque, porque é a semana de treinamento mais intensa. Todavia, se o rendimento for aumentado nesse período, consequentemente, o atleta terá a fadiga aumentada, sendo necessário um período adequado de recuperação dos treinos. 

Portanto, ainda existem lacunas (poucos estudos com esportes de combate) nessa temática, sendo necessários estudos que analisem esportes como o Kickboxing, Muay Thai, Sumo e Sambo, com análises técnicas e táticas (gravações analisando combates simulados), como testes de manifestações de força (isometria, força máxima e potência) para criar maiores evidências que ajudarão no trabalho dos atletas, treinadores, nutrólogos e nutricionistas esportivos. Para maiores informações em como utilizar a cafeína e a dosagem apropriada, recomendamos a consulta com um nutricionista.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

REFERÊNCIAS:

BEAUMONT, Ross; CORDERY, Philip; FUNNELL, Mark; MEARS, Stephen; JAMES, Lewis; WATSON, Phillip. Chronic ingestion of a low dose of caffeine in duces tolerance to the performance benefits of caffeine. Journalofsportssciences, v. 35, n. 19, p. 1920-1927, 2017.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA (2010). Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 18, de 27/04/2010. 

COSWIG, Victor Silveira; GENTIL, Paulo; IRIGON, Francine; DEL VECCHIO, Fabrício Bolosco. Caffeine in gestion changes time-motion and technical-tactical aspects in simulated boxing matches: A randomized double-blind PLA-controlled crossover study. Europeanjournalof Sport science, v. 18, n. 7, p. 975-983, 2018.

DA COSTA, Bruno Ruiz Brandão; EL HADDAD, Lohanna Pereira; FREITAS, Bruno Toledo; MARINHO, Pablo Alves; DE MARTINIS, Bruno Spinosa. Pre‐workoutsupplements marketed in Brazil: Caffeine quantification and caffeine daily intake assessment. DrugTestingandAnalysis, 2021.

DA SILVA, Cicero Jordan Rodrigues Sobreira; BENJAMIM, Cícero Jonas R; CARVALHO, L, B; ROCHA, Élida Mara Braga; MORI, Edna. Determiningcaffeinecontent in differentcoffeetypes. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde, v. 13, n. 2, p. 477-484, 2018.

DE AZEVEDO, Arthur Persio; GUERRA JUNIOR, Mauro Atônio; CALDAS, Leonardo Carvalho; GUIMARÂES-FERREIRA, Lucas. Acute caffeine in gestion did not enhance punch performance in professional mixed-martial arts athletes. Nutrients, v. 11, n. 6, p. 1422, 2019.

DEL COSO, Juan; MUÑOZ, Gloria; MUÑOZ-GUERRA, Jesús. Prevalenceofcaffeine use in elite athletes following its removal from the World Anti-Doping Agency list of banned substances. Applied physiology, nutrition, and metabolism, v. 36, n. 4, p. 555-561, 2011.

DIAZ-LARA, Francisco Javier; DIAZ-LARA, Francisco Javier; DEL COSO, Juan; GARCIA, Jose Manuel; PORTILLO, Luis J; ARECES, Francisco; ABIÁN-VICÉN, Javier. Caffeine improves muscular performance in elite Brazilian Jiu-jitsu athletes. European journal of Sport science, v. 16, n. 8, p. 1079-1086, 2016.

DUARTE, J, D, R, S; RODRIGUES, H, H, N, P; CUNHA, M, G; DE MACEDO, A, F; SALINAS, J, A, R; CLAUDINO, T, X; PASA, C; FETT, W, C . R; FETT, C, A. Dietary intake in kickboxing fighters. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 4, p. 42409-42424, 2021.

FETT, C. A; AQUINO, N. M; BRANDÃO, C. F; DE ARAÚJO CAVALCANTI, J. D; FETT, W. Performance of muscle strength and fatigue tolerance in young trained women supplemented with caffeine. The Journal of sports medicine and physical fitness. v 58. N. 3. p. 249-255, 2017.

FETT, C. Ciência da Suplementação Alimentar. Rio de Janeiro: Sprint, 2000.

GOLDSTEIN, Erica R; ZIEGENFUSS, Tim; KALMAN, DOUG, KREIDER, Richard; CAMPBELL, Bill; WILBORN, Colin; TAYLOR, Lem; WILLOUGHBY, Darryn; STOUT, Jeff; GRAVES, Sue; WILDMAN, Robert; IVY, JOHAN L; SPANO, Marie; SMITH, Abbie E; ANTONIO, José. International society of sports nutrition position stand: caffeine and performance. Journal of the International Society of Sports Nutrition, v. 7, n. 1, p. 1-15, 2010.

GRAHAM, T. E. Caffeine, coffee and ephedrine: impacton exercise performance and metabolism. Can. J. Appl Physiol., v.26, n.1 (Suppl), p.103S-119S, 2001.

HUNTER A. M, GIBSON A. C, COLLINS M, LAMBERT M, NOAKES TD. Caffeine ingestion does not alter performance during a 100-km cycling time- trial performance. Int J Sport Nutr Exerc Metab. v 12.n.4.p. 438- 452, 2002.

MIELGO-AYUSO, Juan; MARQUES-JIMÉRNEZ, Diego; REFOYO, Ignancio; DEL COSO, Juan; LEÓN-GUEREÑO, Patxi; CALLEJA-GONZÁLEZ, Julio. Effect ofcaffeine supplementation on sports performance based on differences between sexes: a systematic review. Nutrients, v. 11, n. 10, p. 2313, 2019.

PASA, Camila; PASA, Pablo. ERGOGÊNICO CAFEÍNA E ATIVIDADE FÍSICA NA SAÚDE. Múltiplos Olhares sobre a Biodiversidade – Vol. V. 1ed.: Editora Tanta Tinta, 2017, v. , p. 452-458.

PERÓN, A. P. O. N; GARCIA, L. S; ALVAREZ, J. F. G; FILHO, W. Z; DA SILVA, A. W.. Perfil nutricional de boxeadores olímpicos e avaliação do impacto da intervenção nutricional no ajuste de peso para as categorias de lutas. O Mundo da Saúde, v. 33, n. 3, p. 352-357, 2009.

PICKERING, Craig; GRGIC, Jozo. Caffeine and exercise: what next?. Sports Medicine, v. 49, n. 7, p. 1007-1030, 2019.

RIVERS, W. H. R.; WEBBER, H. N. The action of caffeine on the capacity for muscular work. The Journal of physiology, v. 36, n. 1, p. 33-47, 1907.

SALICIO, V. M. M; FETT, C. A., SALICIO, M. A., BRANDÃO, C. F. C. C. M., STOPPIGLIA, L. F; FETT, W. C. R; BOTELHO, C. (2017). The effect of caffeine supplementation on trained individuals subjected to maximal treadmill test. African Journal of Traditional, Complementary and Alternative Medicines, v 14. n. 1. P. 16-23, 2017.

SANTOS, Victor G. F; SANTOS, Vander R. F; FELIPPE, Leandro J. C; ALMEIDA JUNIOR, Jose W; BERTUZZI, Rômulo; KISS, Maria, A. P. D. M; SILVA-LIMA, Adriano E. Caffeine reduces reaction time and improves performance in simulated-contest of taekwondo. Nutrients, v. 6, n. 2, p. 637-649, 2014.

SILVA, Marla Aparecida; ROGATTO, Priscila Carneiro Valim; ROGATTO, Gustavo Puggina; SPEXOTO, Maria Claudia Bernardes; LOPES, Chaysther de Andrade; ROCHA, Rênica Alves de Morais; DE OLIVEIRA, David Michel. Efeito ergogênico da cafeína sobre a fadiga e a dor durante o exercício: uma revisão sistemática. Itinerarius Reflectionis, v. 16, n. 3, p. 01-19, 2020.

TARNOPOLSKY, Mark; CUPIDO, Cynthia. Caffeine potentiates low frequency skeletal muscle force in habitual and non habitual caffeine consumers. Journal of applied physiology, v. 89, n. 5, p. 1719-1724, 2000.

WOOLF K, BIDWELL W. K, CARLSON AG. The effect of caffeine as an ergogenic aid in anaerobic exercise. Int J Sport Nutr Exerc Metab. v 18.n.4.p. 412-429, 2008.

Para participar do projeto, basta entrar em contato através do e-mail abaixo e, seguindo as diretrizes especificadas, enviar o seu artigo. Não perca essa oportunidade!

CONTATO > [email protected]
DIRETRIZES DO PROJETO > clique aqui

Stéfane Dias: PhD em Treinamento Desportivo – Rússia e Professor da Keiser University – USA / E-mail: [email protected]/ Instagram: https://www.instagram.com/dr.stefanedias/

Everton Bittar Oliveira: Especialista em Treinamento Desportivo e Preparador Físico da American
Top Team / E-mail: [email protected]/ Instagram: https://www.instagram.com/evertonvvoliveira/

Carlos Alves: Mestre em Treinamento Desportivo e Preparador de Atletas / E-mail: [email protected]/ Instagram: https://www.instagram.com/coach_carlosalves/

Fábio Vieira: PhD em Ciências do Movimento Humano e Professor da Universidade Brasil / E-mail: [email protected]/ Instagram: https://www.instagram.com/fabiosfvieira/

Diego Lacerda: Mestre em Treinamento Desportivo – Rússia / E-mail: [email protected]/ Instagram: https://www.instagram.com/diegolacerdatkd/

Pavel Pashkin: Mestre em Treinamento Desportivo e Treinador Profissional de Sambo – Rússia / E-mail: [email protected]/ Instagram: https://www.instagram.com/pashkinpavel 

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidadespot_img