Coluna Treinamento Desportivo: veja mais sobre a importância dos carboidratos nas atividades físicas

Publicidade

Nesse artigo, convidamos Daniel Dezan – Nutricionista, Mestre em Treinamento de Alta Performance e Preparador físico do atleta e multicampeão Rodolfo Vieira, para escrever juntamente com nossos colunistas sobre a importância dos carboidratos.

Os carboidratos são compostos orgânicos constituídos por carbono, hidrogênio e oxigênio, podendo ser classificados em carboidratos simples (monossacarídeos e dissacarídeos) e carboidratos complexos (oligossacarídeos e polissacarídeos), de acordo com número de açúcar simples combinado dentro da molécula. Além destas classificações, o carboidrato pode ser classificado pelo seu índice glicêmico.

O índice glicêmico classifica um alimento em relação ao efeito que ele exerce na glicemia pós-prandial, ou seja, é um indicador que mostra a velocidade que um alimento que é fonte de carboidrato aumenta a glicose sanguínea. Os carboidratos simples têm um alto índice glicêmico e os carboidratos complexos possuem um índice glicêmico mais baixo. Portanto o tipo de carboidrato escolhido antes, durante e após o exercício é fundamental, uma vez que a glicemia e insulinemia são condicionados pela velocidade de absorção, determinando o comportamento metabólico do atleta, o desempenho e a recuperação.

Funções e armazenamento:

Nosso organismo estoca os carboidratos sob forma de glicogênio, tanto no fígado como nos músculos. Enquanto o glicogênio muscular é usado exclusivamente pelo músculo, o glicogênio hepático é utilizado para a manutenção da glicemia, suprir as necessidades energéticas do cérebro, do sistema nervoso e de outros tecidos. Os níveis musculares de glicogênio têm um impacto profundo no desempenho esportivo de um atleta, servindo como a principal fonte de energia durante o exercício anaeróbio. Além disso, as reservas totais de glicogênio dentro do corpo também contribuem significativamente para o metabolismo energético em exercícios de longa duração (Grenee, Louis, Korostynska & Mason, 2017). A utilização de estratégias nutricionais envolvendo a ingestão de uma alimentação rica em carboidratos antes dos treinos aumentam as reservas de glicogênio, tanto muscular quanto hepático. Já a ingestão de carboidratos durante o esforço ajuda a manutenção da glicemia sanguínea e a oxidação destes substratos e o consumo de carboidrato pós treino permite a ressíntese de glicogênio.

Otimizar as taxas de síntese de glicogênio pós-treino é essencial para o atleta, o que permite que o atleta assegure estoques de energia suficientes para o próximo treino. Um atleta que treina 2x ou 3x ao dia, deve prestar atenção no consumo de carboidrato após cada treino, pois sem o consumo de carboidratos pós-treino, a síntese de glicogênio ocorre a taxas de 1-2 mmol/kg (Maehlum & Hermanse, 1978), prejudicando o desempenho do atleta para o segundo treino do dia. No entanto, quando grandes quantidades de carboidratos são consumidas após o exercício, a síntese de glicogênio melhora bastante, as taxas de ressíntese aumentam para dentro do intervalo de 5-10mmol/kg (Burke, Van Loon & Hawley, 2016). Assim, um atleta que treina mais de 1x ao dia deve otimizar sua ressíntese de glicogênio, fazendo uma refeição rica em carboidratos no final de cada treino.

Dosagem:

O alto volume de treino dos atletas de luta pode esgotar os estoques de glicogênio, por isso, segundo a International Society Sports Nutrition (2017), os estoques de glicogênio endógenos são maximizados seguindo uma dieta rica em carboidratos (8 a 12g/kg/dia). Se for necessária a restauração rápida do glicogênio (<4 h de tempo de recuperação), as seguintes estratégias devem ser consideradas:

Consumir entre 1-1,5g/kg/h de carboidratos, preferencialmente com índice glicêmico alto.

Efeitos colaterais:

O aumento excessivo de carboidratos em pessoas que não estão acostumadas pode causar irritação gastrointestinal, por isso, recomendamos um aumento gradual na quantidade de carboidratos durante a fase de treinamento para que o organismo se adapte e não ocorram complicações durante os períodos competitivos.

Os carboidratos com alta quantidade de fibra também podem causar gases e reduzir o tempo de digestão. É também importante hidratar-se adequadamente, pois uma dieta rica em fibras, com pouco consumo de água, pode levar à constipação.

Conclusão:

Portanto, a manutenção de concentrações elevadas de glicogênio muscular é extremamente importante, principalmente em atletas de esportes de alto rendimento, onde o desempenho máximo é exigido constantemente e o volume de treino é elevado. O treinamento físico regular, bem como uma alimentação adequada e balanceada, pode influenciar positivamente no aumento das reservas de glicogênio muscular.

Observação:

Recomendamos a ajuda de um nutricionista para desenvolver um programa alimentar e consumo adequado de carboidratos de maneira individualizada.

Daniel Dezan, Nutricionista e Educador Físico, Especialista em Fisiologia do Exercício, Bases Nutricionais da Atividade Física, Nutrição Clínica Avançada, MSc em Treino em Alto Rendimento – Portugal e Doutorando em Educação Física e Desporto – Portugal, Preparador Físico e Consultor dos Atletas (UFC / Bellator etc ) Rodolfo Vieira, Bruno Malfacine, Maurício Shogun, Jussier Formiga, Renan Barão, Neiman Gracie etc.

Instagram: https://www.instagram.com/db_dezan/

Referências:

Burke, L.M., Van Loon, L.J.C, Hawley, J.A. (1985). Postexercise muscle glycogen resynthesis in humans. J Appl Physiol 122 (5): 1055-1067.

Greene, Jacob et al. (2017). State-of-the-Art Methods for Skeletal Muscle Glycogen Analysis in Athletes-The Need for Novel Non-Invasive Techniques. Biosensorsvol 7 (1): 11- 23.

Kerksick, C. M., Arent, S., Schoenfeld, B. J., Stout, J. R., Campbell, B., Wilborn, C. D., Antonio, J. (2017). International society of sports nutrition position stand: nutrient timing. Journal of the International Society of Sports Nutrition, 14, 33.

Maehlum S, Hermansen L. (2019). Muscle glycogen concentration during recovery after prolonged severe exercise in fasting subjects. Scand J Clin Lab Invest 38 (6) 557–560.

Thompson, J., Melinda, M. (2013) Nutrition for Life 3rd ed. Pearson: Glenview, IL

Colunistas:

Stéfane Dias: PhD em Treinamento Desportivo – Rússia e Professor da Keiser University – USA/ e-mail: [email protected]/ Instagram: https://www.instagram.com/dr.stefanedias/

Fábio Vieira: PhD em Ciências do Movimento Humano e Professor do Centro Universitário UNIVAG – e-mail: [email protected] – Instagram: https://www.instagram.com/fabiosfvieira/

Diego Lacerda: Mestre em Treinamento Desportivo – Rússia – e-mail: [email protected] – Instagram: https://www.instagram.com/diegolacerdatkd/

Pavel Pashkin: Mestre em Treinamento Desportivo e Treinador Profissional de Sambo – Rússia – e-mail: [email protected] – Instagram: https://www.instagram.com/pashkinpavel 

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade