Competições, aulas e treinos de MMA com Renan Barão nos Estados Unidos: conheça o faixa-preta Henrique Freire

Publicidade

A vida de um faixa-preta que é professor e competidor de Jiu-Jitsu não é fácil. Conciliar os dois é sempre uma tarefa delicada e manter a excelência requer muita disciplina. Henrique Freire é pupilo de Wagner Guimarães, o Boca, e foi graduado à faixa-preta em 2015. Atualmente, aos 32 anos, o lutador vive um período nos Estados Unidos para treinar, competir e também ajudar na aplicação de aulas na academia Boca Team BJJ.

Henrique vem há três anos passando temporadas nos Estados Unidos participando de diversos Opens e torneios maiores, como Pan e Mundial Master. Além de colecionar medalhas douradas na classe master como no Miami, Atlanta, Nashiville e New York Open, o casca-grossa, que também participa de treinos na academia Fabin Rosa BJJ em Orlando, almeja as primeiras posições do ranking mundial da IBJJF. O paraibano aparece próximo ao Top 50 do master 1 na faixa-preta, que conta com mais de 1800 atletas.

Em um bate-papo com a TATAME, o faixa-preta contou sobre a rotina de lutar e aplicar aulas: “Conciliar o papel de treinador e atleta de competição é muito difícil, porque tenho que dar o meu melhor para meus atletas e também dar meu melhor no meu treino. Fazer as duas coisas não é fácil. Atualmente, estou ajudando no treinamento dos atletas André Cunha, Renan Barão (ex-campeão do UFC) e Ana Palma. Esse apoio vem dando bons resultados e colocamos o André como 6º melhor faixa-azul do mundo no ranking da IBJJF e também trazendo bons resultados para a Ana Palma, que foi campeã do Pan Kids neste ano”, disse.

Natural de João Pessoa, na Paraíba, Henrique tem uma filial da Boca Team BJJ na cidade nordestina. Deste modo, com uma experiência adquirida entre o Jiu-Jitsu e o MMA, o casca-grossa tem sido o responsável pelos treinos de Grappling de Renan Barão, ex-campeão do UFC, que deixou recentemente a franquia. O paraibano contou sobre as diferenças de adaptar o Jiu-Jitsu para o MMA.

“No caso do Jiu-Jitsu competitivo e o Jiu-Jitsu para o MMA não podemos tentar executar nem todas as posições, porque no MMA estamos expostos a chutes e socos. Por conta disso, temos que adaptar nosso Jiu-Jitsu para sermos mais ofensivo e ao mesmo tempo eficazes. Trabalhamos muitas repetições e takedowns próximos a grade, juntamente com pegadas de costas e outros detalhes”, contou.

WhatsApp Image 2020 03 27 at 16.32.37
Henrique vem crescendo no ranking da IBJJF do master 1 da faixa-preta e mira no Top 1 (Foto: IBJJF)

Assim que entrou 2020, Henrique tinha como objetivo participar três importantes competições da IBJJF. O Pan (Califórnia), Brasileiro (São Paulo) e Mundial Master (Las Vegas). No entanto, os dois primeiros foram adiados por conta do avanço do novo coronavírus (Covid-19). Com cuidado e aproveitando a disponibilidade de um tatame em casa, o professor contou como vem fazendo para manter a forma e também destacou a importância de relaxar o corpo neste momento.

“O coronavírus atrapalhou um pouco o ritmo de treinos. Mas, como eu tenho um tatame em casa, estou conseguindo minimizar esse dano e estou realizado minha preparação em casa. Também tenho feito a minha dieta na espera pelas competições. Assim que voltar os torneios, estou aproveitando essa quarentena para continuar estudando em casa. É bom também para dar um descanso ao corpo. Estava em um ritmo muito intenso, lutando todo fim de semana”, concluiu.

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade