Cotado como favorito no ‘King of Mats’ dos leves, Gabriel Sousa ignora pressão e diz: ‘Estou bem treinado’

Publicidade

Por Yago Rédua

Campeão do ranking da AJP Tour (antiga UAEJJF) na temporada passada, Gabriel Sousa entra como um dos grandes favoritos para conquistar o “King of Mats” dos leves, neste sábado (27). O torneio fará parte do Grand Slam de Tóquio (JAP), segunda etapa do circuito 2019/2020. Em entrevista à TATAME, o jovem faixa-preta da ZR Team disse que não se sente “pressionado” por ser cotado como um dos nomes para levar o título.

“Não sinto pressão, porque eu estou bem treinado. A pressão vem mais quando você não se sente preparado para os desafios. Acho que é normal o favoritismo, ele vai existir em qualquer competição. Tudo é a forma como você lida com as ocasiões e o que vai acontecer ao longo dos torneios. Não há algo para eu me sentir pressionado. É algo que eu quero muito (o título do ‘King of Mats’), mas não fico me pressionando. Se eu ganhar, é mérito do nosso trabalho, meu e de toda equipe, mas se eu não ganhar, terá algo que eu não fiz corretamente, então vou corrigir e voltar para o próximo”, comentou Gabriel.

Na edição anterior do “King of Mats” dos leves, em Londres (ING), Gabriel alcançou a terceira posição. O título na ocasião ficou com Paulo Miyao. Ao relembrar sua performance, o faixa-preta disse que teve um início ruim, mas se recuperou ao longo do torneio. Além disso, afirmou que, na época, o foco maior era conquistar o Grand Slam para somar pontos na corrida pelo título do ranking – objetivo que se confirmou na sequência.

“Eu comecei mal e tive que recuperar durante o campeonato. Perdi a primeira luta, mas depois consegui ganhar as outras e finalizar a última na fase de grupos. Eu fiquei bem abalado após a primeira luta, mas tive a oportunidade de recuperar. Daí, eu comecei a lutar com uma motivação a mais. Isso me ajudou muito. Não que eu queria ter perdido alguma luta, lógico que não. O adversário ganhou a luta, não estou desmerecendo a vitória dele, mas foi uma coisa que eu não aceitei dentro de mim. Sabia que podia lutar mais. O intervalo entre uma luta e outra foi fundamental para colocar a cabeça no lugar, conversar com o meu professor e dar a volta por cima”, comentou o casca-grosa, que seguiu.


“Não que eu não levasse tão a sério o ‘King of Mats’, mas não dava tanta prioridade pelo fato de eu estar lutando pelo ranking. Meu foco era ganhar o Grand Slam (Londres) e o ‘King of Mats’, se eu conseguisse ganhar, beleza, mas se não vencesse, não era a prioridade. Eu acho que mudamos um pouco isso. Acredito que eu venho evoluindo muito após ADKOM. Acho que nunca tinha lutado uma competição do nível tão grande e do formato de lutas como é o torneio. É uma competição além do Jiu-Jitsu, precisa estar com a estratégia em dia. Esses últimos dois meses foram focados muito no ADKOM”, concluiu.

Publicidade

Notícias relacionadas

1 COMENTÁRIO

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade