Da selva para o mundo: Jungle Fight completa 18 anos e Wallid relembra momentos marcantes

Publicidade

Na última segunda-feira, dia 13 de setembro, o Jungle Fight completou 18 anos da sua primeira edição, realizada no Ariaú Amazon Towers, hotel localizado no meio da Floresta Amazônica. A princípio, o show promovido por Wallid Ismail, com apoio do ex-senador e lenda das artes marciais no Japão Antonio Inoki, e dos manauaras Mário Jr e Amin Aziz, tinha como objetivo chamar a atenção para a Amazônia. Com o sucesso, se tornou a principal liga de exportação de lutadores para o maior evento de MMA do mundo, o UFC.

“A ideia inicial era voltar a atenção do mundo para a Floresta Amazônica, tanto que o show foi, literalmente, no meio da selva. Vieram japoneses, plantamos árvores e escalamos só casca-grossa no card. O evento foi tão bom, fez tanto sucesso, que batemos recorde de audiência no SporTV – nem existia canal Combate ainda na época, era ‘Faixa Combate’ no SporTV. Fomos líderes de audiência no primeiro evento. Foi transmitido ao vivo para o Japão também. Enfim, deu tão certo que a gente não tinha como parar”, recordou Wallid.

Aquele card – que visto nos dias de hoje se tornou estrelado – contou com o nocaute de Jorge Patino Macaco sobre Ronaldo Jacaré na luta principal, além das vitórias de Lyoto Machida contra Stephan Bonnar e Fabrício Werdum diante de Gabriel Napão. Também venceram naquele evento Evangelista Cyborg e Ebenezer Braga.

Ao longo desses 18 anos, o evento rodou as cinco regiões do Brasil e realizou uma edição na Europa, com Jungle 7 na Eslovênia. Passaram pela selva lutadores já consagrados na época, casos de Rogério Minotouro e Jorge Patino Macaco, e alguns que viriam a se consagrar, como José Aldo, Fabrício Werdum, Lyoto Machida, Charles Do Bronx e Deiveson Figueiredo. Wallid elegeu as lutas mais marcantes das mais de mil realizadas.

“Lyoto contra Bonnar foi uma guerra, a cara do Jungle. José Aldo contra Luciano Azevedo também foi inesquecível. Iuri Marajó x Francisco Massaranduba. Também teve a última luta do Deiveson no Jungle, contra Denis ‘3 Dedos’, uma batalha com um festival de knockdowns no primeiro round. Alex Poatan x Quemuel Ottoni levantou o público. E Amanda Lemos com a Mayra Cantuária. Só guerra”, apontou o dirigente.

As finalizações e os nocautes mais memoráveis também foram lembrados pelo presidente do evento, que mesclou momentos das primeiras edições com os últimos cards realizados. “O nocaute do Deiveson sobre o Denis ‘3 Dedos’ depois de cair duas vezes. O nocaute do Werdum no Ebenezer, já que foi um cara do Jiu-Jitsu nocauteando um cara do Muay Thai. Finalizações eu lembro do Ronaldo Jacaré sobre o Alexander Shlemenko e o Borrachinha pegando o Eduardo Camelo, a única finalização do Borrachinha na carreira”.

São muitas histórias nesses quase 20 anos de existência, desde superação até curiosidades, como, por exemplo, quem criou o cage circular que abriga as lutas do evento, que antes utilizava os tradicionais ringues: ninguém menos que o renomado arquiteto Frank Gehry, o mesmo que elaborou o Museu Guggenheim e da Disney. Além disso, teve edição realizada embaixo de chuva – Jungle 17, na Praia da Costa, em Vila Velha -, dentro de escolas de samba – Mangueira e Rocinha -, sob o viaduto de Madureira e na Cidade de Deus.

A próxima edição do Jungle Fight está marcada para o dia 15 de outubro na cidade de São Paulo. Fique ligado nas redes sociais do evento para mais informações: “É só o começo da nossa história”, afirmou Wallid.

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidadespot_img