Em alta na faixa-roxa, Anderson Duarte fala sobre título no World Pro e traça próxima meta; confira

Publicidade

Anderson Duarte, 19 anos, está em ascensão no Jiu-Jitsu competitivo. Em novembro, o atleta da equipe Atrium foi o melhor na divisão até 62kg ao vencer cinco lutas; sendo três por pontos, uma por finalização e uma por decisão unânime no Abu Dhabi World Pro, realizado nos Emirados Árabes Unidos.

Na disputa pelo ouro, Anderson mediu forças contra o japonês Thomy Yano. A luta terminou empatada e, na visão dos juízes, Anderson foi declarado vencedor depois de atacar bastante o oponente no tempo de seis minutos e no “golden score”. Vale citar que foi a segunda luta entre os atletas. Na primeira vez, Anderson o finalizou.

“Eu já tinha lutado com ele e o finalizado em Lisboa, Portugal, pelo Campeonato Europeu. Desta vez, pude analisar que ele estava receoso de se expor, ficou muito travado. Aí foi só controlar e tomar cuidado para nos segundos finais não ser raspado. Mas apesar da aparente tensão, foi uma final até certo ponto tranquila. Eu tinha feito quatro lutas difíceis e me deu muita confiança para lutar contra ele. Eu joguei de forma inteligente, pois o intuito não era dar show e, sim, vencer”, detalha o campeão, natural de Goiânia (GO).

Numa divisão recheada de atletas com potencial como, por exemplo, o atual campeão brasileiro Cleison Gabriel (Carlson Gracie), Carlos Elias (Double Five) e Kevin (Dream Art), Anderson relata quais foram suas lutas mais complicadas durante a campanha até o ouro.

“Acho que não houve um momento complicado, mas uma certa tensão na luta com o Cleison Gabriel. Além do juiz não me dar o ponto por eu ter acessado as costas dele, ainda interpretou errado uma possível raspagem para ele. Mas logo ele viu que errou, e ficou tudo tranquilo. Mas na hora me assustei. Fiz 5 lutas, e as mais duras com o Carlos Elias e a com o Cleison Gabriel”, relembra Anderson.

Praticante de Jiu-Jitsu há 10 anos, Anderson tem a meta de vencer novamente o Mundial organizado pela IBJJF. O primeiro título veio em 2018, quando ainda era faixa-azul ( vencendo na final um aluno dos irmãos Mendes).

“Eu vou continuar os meus treinos, manter minha boa alimentação e seguir focado. Quero conquistar meu segundo título mundial e depois pensar em vencer meu primeiro Campeonato Europeu; onde fui medalhista de bronze por duas vezes e uma vez fiquei com a prata”, encerra o campeão, que é treinado pelos professores Rodrigo Castro e Mateus Garcia, na Atrium (GO).

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade