Estudo aponta que hormônio liberado durante atividade física pode inibir o avanço do novo coronavírus; saiba mais

Publicidade

Já é comprovado que exercícios físicos trazem inúmeros benefícios à saúde física e mental das pessoas. No caso da Covid-19, um estudo feito pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) aponta que a atividade física pode inibir o avanço da doença. O estudo sugere que o hormônio irisina, liberado pelos músculos durante a atividade física, pode ter efeito terapêutico em casos de Covid-19. Ao analisar dados de expressão gênica de células adiposas, os pesquisadores observaram que a substância tem efeito modulador em genes associados à maior replicação do novo coronavírus (SARS-CoV-2) dentro de células humanas.

O artigo, publicado na revista “Molecular and Cellular Endocrinology”, descreve dados gerados no estudo de pós-doutorado de Oliveira, que analisou a ação da irisina e de hormônios tireoidianos em adipócitos. O trabalho contou com apoio da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). Pesquisadora da Faculdade de Medicina da Unesp, Miriane de Oliveira explicou que o resultado representa uma sinalização positiva para a busca por tratamentos. Entretanto, ressaltou que são dados preliminares.

“A irisina é um hormônio produzido de modo endógeno pelos músculos quando praticamos atividade física contínua e é responsável pela transformação da gordura de cor branca considerada ruim, em gordura marrom. Esse processo favorece o gasto energético, o que torna a irisina um agente endógeno terapêutico para doenças metabólicas, como a obesidade”, afirmou o médico do esporte Dr. Rafael Fonseca.

Por ser ativado e produzido através da prática regular de atividade física pode-se concluir que indivíduos obesos tendem a produzir menos irisina no organismo que indivíduos saudáveis não sedentários.

Por causa da pandemia, os pesquisadores decidiram investigar possíveis efeitos da irisina em genes relacionados à replicação do SARS-CoV-2. A partir do cruzamento de dados, eles descobriram que o tratamento com a irisina em células adiposas diminuiu a expressão dos genes TLR3, HAT1, HDAC2, KDM5B, SIRT1, RAB1A, FURIN e ADAM10, reguladores do gene ACE2 – fundamental para a replicação do vírus em células humanas. O ACE2 codifica a proteína a que o vírus precisa se ligar para invadir células humanas.

Outro fator importante observado foi o fato de a irisina poder triplicar um gene fundamental para proteção dos indivíduos, o TRIB3. Em levantamentos anteriores, foi observado que a diminuição desse gene ocorre principalmente nos idosos e pode estar relacionado à maior replicação do SARS-CoV-2, o que, consequentemente, aumenta o risco dessa população diante da atuação do coronavírus no corpo humano.

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidadespot_img