Faixa-marrom da Checkmat comenta retomada das competições de Jiu-Jitsu e relembra período de isolamento: ‘Estudei e evolui bastante’

Publicidade

Assim como muitos atletas de Jiu-Jitsu, Bárbara Pires teve que ficar a temporada de 2020 quase toda sem competir. No fim de 2019, após se destacar no Mundial No-Gi da IBJJF, na Califórnia (EUA), a atleta da Checkmat foi graduada faixa-marrom e conseguiu disputar apenas o Curitiba Open, da CBJJ, na nova faixa, quando faturou quatro medalhas de ouro – nas disputas sem e com pano. Ao viajar para os Estados Unidos rumo ao Pan da IBJJF, os eventos começaram a ser cancelados por conta da pandemia de Covid-19.

Bárbara ficou ficou cerca de oito meses sem competir, quando participou de um evento nos Estados Unidos: “Em novembro, viajei para acompanhar uma atleta no UFC e lutei o American National ganhando quatro ouros novamente, no meu segundo campeonato de faixa-marrom. Duas semanas depois, lutei o Mundial Master ficando em segundo lugar na minha categoria e em terceiro no absoluto. Foi maravilhoso poder fechar o ano com esses títulos. Apesar dos desafios do ano de 2020, consegui obter ótimos resultados nos campeonatos”, disse a atleta, que explicou como utilizou o tempo sem eventos e com academias fechadas.

“Comecei a criar estratégias para tirar de mim o máximo em cada treino para ganhar na qualidade, e não na quantidade. Foi um momento que, por me conhecer bem, soube analisar qual tipo de treino era mais importante para mim naquele momento. E dei prioridade em ajustar alguns detalhes e pontos específicos do meu jogo. Claro que ter tatame em casa foi essencial. No final das contas, foi excelente para mim, pois consegui dar atenção a certas coisas que na rotina corrida de treinos estavam passando sem a devida atenção. Estudei muito e evolui bastante em todos os sentidos”, destacou Bárbara sobre o isolamento social.

“Foi uma das melhores emoções da minha vida, tanto pelo segundo título mundial, quanto pela faixa-marrom. Ver toda minha jornada, todas as conquistas e os títulos que venho adquirindo na minha carreira como atleta. É meu sonho se tornando real, exatamente do jeito que planejei quando comecei a treinar. Para ser atleta, tem que abrir mão de muita coisa, no meu caso estar longe da família e amigos, ter uma vida regrada, não ter muita vida social, dentre várias coisas, então é muito gratificante”, falou a fera sobre a graduação para a faixa marrom após brilhar no Mundial No-Gi.  

Projetando a temporada de 2021, a lutadora declarou que quer repetir os feitos que teve nas faixas azul e roxa, quando levou as medalhas douradas nas principais competições, como Mundial, Brasileiro e Sul Americano. Bárbara Pires também mirou nas conquistas do Pan Americano e Europeu de Jiu-Jitsu – ambos da IBJJF.

“Lutar todos os campeonatos que puder, mas em especial quero dois títulos que ainda não tenho pois não tive a oportunidade de competir que são do Pan Americano e do Europeu. Sei que já tenho uma carreira sólida como atleta, com diversos títulos, dentre eles, dois títulos mundiais, seis títulos brasileiros, nove títulos sul-americanos e quatro títulos do American National, porém sinto falta e quero completar meu portfólio”.

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidadespot_img