Formado em administração, brasileiro troca carreira executiva pelo MMA e faz estreia internacional na Inglaterra

Publicidade

Até os 21 anos, Pedro Machado seguiu o roteiro padrão para jovens que têm a chance, depois de terminar o colégio, de fazer uma faculdade, e se formou em Administração e Marketing. Enquanto estudava, o carioca dava os primeiros passos na luta. Entre um treino de Muay Thai e outro de Luta Livre, decidiu fazer faculdade de Educação Física. Mas ele queria mesmo era lutar MMA, e por isso resolveu trancar a faculdade para se dedicar exclusivamente ao esporte. Em sua estreia, em agosto do ano passado, o atleta da Rio Fighters venceu por finalização. Sua segunda luta profissional será no dia 2 de março, quando ele fará sua primeira disputa internacional pelo evento inglês Sparta Fight Series.

“Assim que terminei a faculdade, em 2015, fui para o mercado de trabalho. Cheguei a conseguir um estágio, mas quando você consegue um emprego, nunca trabalha apenas oito horas por dia. Então, não tinha como conciliar trabalho e treino para me tornar um profissional da luta. Mas ainda assim resolvi dar mais uma chance e comecei a estudar Educação Física, que é a área que eu gosto. Comecei a dar personal e consegui fazer um dinheiro para pagar as minhas contas. Mas logo tranquei para me dedicar mais ao MMA. Agora vou dar um gás nos treinos para conseguir mais lutas e aumentar o meu cartel como profissional. Não vou largar a faculdade, pois tenho o sonho de trabalhar como profissional de Educação Física, mas nesse momento quero dar o meu máximo nos treinos”, explicou.

Faixa marrom de Luta Livre de Miltinho Vieira, Pedro tem o chão como sua especialidade. Apesar de ter começado no Muay Thai aos 16 anos e hoje se dedicar bastante ao Boxe, ele venceu cinco lutas no MMA amador por finalização, assim como em sua estreia profissional. Contra o inglês Will Cairns, que tem como carro chefe o Boxe, o meio-médio brasileiro pretende usar a luta de chão para definir mais um combate e anotar a sua segunda vitória.

“Sou um cara que usa bem as mãos e que tem um chão de finalização. Tenho um chão bem agressivo. Vou enfrentar um cara que tem um cartel bem irregular. A verdade é que meu oponente é um brigão inglês. Ele luta Boxe, inclusive têm alguns cinturões no Boxe amador. Então, ele vem para a porrada. Vou trocar o que tiver que trocar em pé com ele, colocar para baixo e finalizar o mais rápido possível, porque ele dá muitas brechas no chão. O grande perigo é uma mão dele entrar, então é manter a distância, encurtar quando ele vier para dentro, colocar para baixo e buscar a finalização na primeira chance”, projetou.

O Sparta Fight Series chega a sua terceira edição. A quarta está programa para acontecer em agosto, na Polônia. Pedro espera conquistar uma grande vitória para assinar um contrato mais longo com a organização. Seu principal objetivo é alcançar quatro/cinco vitórias seguidas para chegar em um grande evento de MMA, de preferência o Bellator.

“Eu sempre gostei muito do Bellator. Antes mesmo de ter toda essa mudança no UFC, em relação aos uniformes e patrocínios, eu já tinha mais olhos para o Bellator. É claro que o UFC é a Copa do Mundo, mas se me perguntarem hoje qual o meu grande objetivo na luta, eu respondo que é fazer algumas lutas no Bellator. Acredito que em quatro ou cinco lutas, me mantendo invicto, eu consiga chegar lá”, concluiu o jovem atleta da Rio Fighters.

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade