Gilbert Durinho analisa atual momento dos atletas brasileiros no UFC e destaca: ‘A nova geração pode quebrar os recordes de outras lendas’

Publicidade

* Neste sábado (13), em Las Vegas, nos Estados Unidos, Gilbert Durinho pode se tornar mais um brasileiro campeão no Ultimate. Diante do atual campeão Kamaru Usman, o brasileiro vai disputar o cinturão meio-médio e, caso saia vencedor na luta principal do UFC 258, se juntará aos compatriotas Deiveson Figueiredo (peso-mosca) e Amanda Nunes (peso-galo e peso-pena) como campeões brasileiros dentro da maior organização de MMA do mundo.

Dentro do Ultimate, atualmente, o MMA brasileiro passa por um período de reformulação. Em outros tempos, o país teve Anderson Silva, José Aldo, Lyoto Machida, Maurício Shogun, Vitor Belfort, Junior Cigano, Rodrigo Minotauro, entre outros, como campeões e destaques na companhia. Após passar por um período de instabilidade, o Brasil voltou a ter atletas em alta, com alguns deles chegando à disputas de cinturão e outros já bem próximos do tão sonhado objetivo através de boas sequências de vitória.

Em entrevista à TATAME, Gilbert Durinho, que vem de seis vitórias consecutivas no UFC, reforçou o discurso de que os lutadores brasileiros vêm alcançando um posto de maior destaque dentro da franquia, citando nomes como Charles do Bronx, Glover Teixeira, Augusto Sakai, Jessica Bate-Estaca, entre outras feras.

“É o momento em que o Brasil está cheio de lutador faminto na briga pelo cinturão. Temos brasileiros no Top 10 de praticamente todas as categorias e é o momento em que o país está passando por aquela renovação no esporte. Estou prestes a disputar o cinturão, o Charles do Bronx também está bem próximo de lutar pelo título. Nas outras categorias, tem o Thiago Marreta, o Glover Teixeira, Vicente Luque, meu irmão (Herbert Burns), Augusto Sakai, Jessica Bate-Estaca… Tem uma galera muito boa. A galera tem que estar mais ativa e ser profissional, porque aí as oportunidades vão aparecer”, ressaltou.

Nos últimos anos, nomes como José Aldo, Paulo Borrachinha, Jennifer Maia e Thiago Marreta disputaram cinturão em suas respectivas categorias, no entanto, acabaram sendo derrotados. Apesar disso, Durinho confia que a atual geração de lutadores e as novas promessas brasileiras do MMA são capazes até mesmo de bater os recordes de outras lendas, como Anderson Silva, que se manteve por anos como campeão peso-médio do Ultimate.

“O UFC é muito grande agora, o Brasil inteiro já conhece, e isso se reflete nas academias, tem muito lutador surgindo. Acho que a nova geração pode, sim, quebrar os recordes e números da geração do Anderson Silva e de outras lendas brasileiras. Não é uma coisa tão fácil de ser feita, mas o Brasil conta com equipes muito boas e um material humano excelente. Eu treino muito na Cerrado MMA, em Brasília, e a galera de lá é excelente. Tem muito atleta promissor também na Nova União, na Pitbull Brothers. Então a safra atual e a dos próximos anos, certamente, é muito promissora”, finalizou.

CARD COMPLETO:

UFC 258
UFC Apex, em Las Vegas (EUA)
Sábado, 13 de fevereiro de 2021

Card principal (0h, horário de Brasília)
Peso-meio-médio: Kamaru Usman x Gilbert Durinho
Peso-mosca: Maycee Barber x Alexa Grasso
Peso-médio: Kelvin Gastelum x Ian Heinisch
Peso-galo: Andre Ewell x Chris Gutierrez
Peso-médio: Maki Pitolo x Julian Marquez

Card preliminar (20h30, horário de Brasília)
Peso-leve: Jim Miller x Bobby Green
Peso-médio: Rodolfo Vieira x Anthony Hernandez
Peso-meio-médio: Belal Muhammad x Dhiego Lima
Peso-palha: Polyana Viana x Mallory Martin
Peso-pena: Ricky Simón x Brian Kelleher
Peso-meio-médio: Gabriel Green x Phil Rowe
Peso-mosca: Gillian Robertson x Miranda Maverick

* Por Mateus Machado

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidadespot_img