‘Jiu-Jitsu brasileiro é vítima colateral do coronavírus e do bolsonarismo’, publica tradicional jornal francês Le Monde

Publicidade

Um dos principais jornais franceses, o “Le Monde” publicou, nesta quarta-feira (27), um artigo (leia aqui na íntegra, em francês) sobre a relação do Jiu-Jitsu, família Gracie e o atual presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. Segundo o texto publicado por Bruno Meyerfeld, a modalidade é “vítima colateral do coronavírus e do bolsonarismo”.

A matéria do correspondente do Le Monde relata que a arte suave e a tradicional família Gracie racharam por conta das ideologias do presidente Bolsonaro: “O formidável Jiu-Jitsu brasileiro vive um momento de divisões profundas, estimuladas por acertos de contas cruéis entre os integrantes da família Gracie”.

O autor relembrou do episódio de 2018, três dias antes do segundo turno das eleições presidenciáveis, quando os Grandes Mestres Robson Gracie e Austregésilo De Athayde deram uma simbólica faixa preta de Jiu-Jitsu ao então candidato Jair Bolsonaro.

Na época, Reyson Gracie usou as redes sociais para se posicionar contra o ato: “Não fui informado nem consultado sobre essa decisão eleitoreira, que considero um desserviço ao Jiu-Jitsu e também um desrespeito à memória dos mestres Carlos e Helio Gracie, respectivamente, meu pai e meu tio”, escreveu.

O artigo do Le Monde ainda destaca o fato de Bolsonaro promover Renzo Gracie como embaixador do turismo brasileiro. O faixa-preta, em agosto de 2019, chamou o presidente francês Emmanuel Macron de “pescoço de franga” e a primeira-dama Brigitte Marie-Claude de “dragão” (relembre). Para o correspondente, o Jiu-Jitsu se transformou em símbolo da extrema direita.

Sobre a pandemia do novo coronavírus, Bruno Meyerfeld citou o crescente debate nas redes sociais sobre a reabertura das academias em meio à crise sanitária. O tema ganhou força quando, através de um decreto, o presidente colocou as academias como “serviço essencial”. Posteriormente, o Superior Tribunal de Justiça (STF) definiu que estados e municípios têm a liberdade para definir os assuntos de saúde relacionados à Covid-19, e 18 estados mais o DF foram contra o decreto de Bolsonaro.

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidadespot_img